article image
Restaurante Ottolenghi, em Londres
Gastronomia

Um exemplo de superação de preconceitos

Por Anne-Sophie Savarin

por 1

fonte | A A A

O restaurante Ottolenghi é um dos grandes sucessos da gastronomia londrina e pertence a casal de chefs homossexuais que, caso seguissem os padrões da sociedade de onde nasceram e cresceram, teriam tudo para se odiar. Yottam Ottolenghi e Sami Tamimi nasceram em Jerusalém, o primeiro em uma família judaica e o outro em uma tradicional família muçulmana. Sem nunca terem se encontrado, saíram da cidade natal e foram para Tel Aviv em busca de mais liberdade religiosa, política e sexual.

YottamOttolenghi & SamiTamimiPor uma feliz coincidência, os dois foram morar em Londres no mesmo ano, 1997, ainda sem se conhecerem. Foi então que os dois finalmente se encontraram. Todas as coisas em comum que poderiam os ter unido durante a vida foram o ponto de partida para iniciar a parceria que se tornaria um dos maiores sucessos gastronômicos de Londres.  O casal abriu o primeiro Ottolenghi em 2002, em Notting Hill. Nos anos seguintes, foram mais três restaurantes e no ano passado os dois lançaram um primeiro livro de receitas, que foi considerado o melhor da categoria em 2008 no Reino Unido.

O interessante é que o Ottolenghi não pode ser classificado como bistrô, nem como delikatessen ou pâtisserie. O lugar é algo totalmente diferente, é um restaurante como nenhum outro. Nas palavras de Sami, o Ottolenghi “reflete o amor e a confiança em uma fórmula simples e honesta”.

Com a decoração clean, todo branco, o Ottolenghi traz toda a sua exuberância na comida, que é uma explosão de sabores e cores, como em um mercado do Oriente Médio. O cardápio é recheado de alcachofras gigantes, pirâmides de brownie, suspiros de amora, pimenta-rosa de Madagascar e berinjelas com iogurte. Desta maneira, o palestino e o israelense mostram que amor e paz  são possíveis e ainda têm cor e cheiro.

De volta ao topo comentários: (3)

Sua Opinião

Nome (obrigatório)

E-mail (obrigatório)

Estado

Cidade

  1. Regina Maria Scotton disse:

    É a história de Romeu e Julieta se repetindo ,anulando,desmentindo a insegurança e a separação que o òdio político entre nações quer pregar.Caetano Veloso dizia”Cada um sabe a dor de ser o que é”.Mas o mesmo Caetano também diz:”Cada um sabe a dor e a delícia de ser o que é”.Parabéns aos dois que não deixaram que o autoritarismo de seus países os confudissem com animais selvagens.

  2. Benedito Lacerda disse:

    O Barbi continua com seu mau hábito de gritar…
    Discordo dele, acho que “comida” significa algo pronto para comer, “alimentos” é genérico, poderia se referir à matéria prima ainda não preparada, alimentos crus, por exemplo.

  3. luiz antonio vieira barbi disse:

    GOSTO DE LER A COLUNA DE ANNE-SOPHIE…OTIMA SEMPRE!!! POREM…POREM…QUE TAL TROCARMOS A PALAVRA COMIDA POR ALIMENTOS???TIPO….EXUBERANCIA NOS ALIMENTOS, QUE SAO UMA EXPLOSAO DE SABORES E CORES…COMIDA, ALEM DE SER MEIO PESADO, JA PEGOU UM SENTIDO NAO MUITO BOM…INFELIZMENTE…