Início » Cultura » Minha Versão do Amor, de Richard J. Lewis
Crítica de cinema

Minha Versão do Amor, de Richard J. Lewis

Um filme que faz refletir sobre a própria vida, sobre as opções que podemos tomar de acordo ou não com a nossa essência. Por Francisco Taunay

Minha Versão do Amor, de Richard J. Lewis
Barney Panofsky e sua amada Myrian

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

No táxi, indo para o cinema, tive a melhor introdução ao filme que alguém poderia ter tido. O taxista me deu a sua versão de felicidade: a Felicidade está à sua volta, ao alcance dos nossos olhos, está naquilo que interage conosco, que nos toca. As coisas estão aí ao nosso alcance, e podemos pegá-las, o problema é que não podemos segurar muitos elementos ao mesmo tempo; é importante se guiar pela sua própria essência, e saber se apegar ao que é realmente importante. Ele me perguntou se eu era crítico de cinema, de acordo com a conversa que havia tido no celular. Disse que sim, ele anotou o endereço do site, e fui ver o filme.

Paul Giamatti (de Sideways e Anti – Herói Americano) é, em minha opinião, o maior ator de Hollywood em atividade no momento. Ele está fabuloso vivendo o protagonista deste “Minha Versão do Amor”, Barney Panofsky. Barney é um produtor de TV que vive no Canadá; ele tem uma vida marcada por acontecimentos importantes: um crime não solucionado, três casamentos, uma doença incurável.

O filme ganha o espectador pela sua absoluta verdade: tudo o que acontece ali pode acontecer com qualquer um de nós; a diferença é como o personagem (e o ator) reage aos acontecimentos. O herói desta história é um ser humano comum, mas que escolhe ser guiado por uma paixão, Myriam, a mulher que conheceu no dia de seu casamento.

Este amor é tão forte que as escolhas de Barney giram em torno dele. Myriam passa a ser o motivo principal de sua vida; e é um sentimento tão belo, tão verdadeiro, que emociona a platéia. O ator consegue passar então, de forma primorosa, os sentimentos de uma pessoa apaixonada, que descobre a sua própria essência no amor. Mas tudo começa a ruir quando uma doença grave é diagnosticada.

O filme é composto de memórias, de tempos que se interpõe, e é justamente a memória de nosso herói que começa a falhar. O Alzheimer ainda é um mistério para a medicina, e um sofrimento principalmente para aqueles que amam o doente. É neste quadro de perda progressiva de memória que percebemos o quanto esta nossa faculdade é importante. A memória de uma pessoa, a memória de um povo; Hugo Munsterberg, talvez o primeiro teórico de cinema, que comparou o filme à mente humana, dizia que a memória tem a ver com a edição do filme — com a maneira que os planos são arranjados.

Cada vida é uma vida, mas podemos imaginar a tragédia pessoal daqueles que mudam de forma abrupta por algum problema cerebral, e também daqueles que estão junto da pessoa, nesta caminhada pela Terra. O taxista estava certo ao dizer que não devemos segurar muitos elementos; e quem os prende, senão a memória?

Um filme que faz refletir sobre a própria vida, sobre as opções que podemos tomar de acordo ou não com a nossa essência. Aliado ao caráter verdadeiro do filme e a grande interpretação de Giamatti, está a participação de grandes diretores de cinema do Canadá em pequenas pontas no filme: Dennys Arcand, Atom Egoyan e o fantástico David Cronenberg podem ser reconhecidos como o maitre do restaurante e os diretores de TV que trabalham para Panofsky.

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

4 Opiniões

  1. Markut disse:

    De acordo com os comentários de Taunay.
    No meu entender, faltou ressaltar a interpretação soberba dessa mulher classuda e inteligente, que representou a bela Miriam.

  2. Claudinha disse:

    Filmes com estórias românticas e acontecimentos que fazem parte da nossa realidade, estão cada vez mais caindo na graça dos espectadores. Não assisti este ainda. Parece ser muito bom.

  3. Olbe disse:

    Faltou dizer que o filme é baseado no romance Barney´s Version escrito pelo judeu Mordecai
    Richler

  4. gina disse:

    Gostei do conteúdo do filme,deve ser inspirado
    no amor, parece ser muito real. com certeza irei assistir.

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *