Início » Cultura » Morre o escritor americano Philip Roth, aos 85 anos
OBITUÁRIO

Morre o escritor americano Philip Roth, aos 85 anos

Autor de mais de 30 obras, Roth recebeu mais de 15 prêmios como reconhecimento de seu trabalho

Morre o escritor americano Philip Roth, aos 85 anos
Detentor de inúmeros prêmios, Roth já foi acusado de antissemitismo (Foto: Philip Roth/Facebook)

Um dos escritores mais conceituados da segunda metade do século XX, o americano Philip Roth morreu na madrugada desta quarta-feira, 23, aos 85 anos. Autor de mais de 30 obras, Roth foi vítima de uma insuficiência cardíaca em um hospital em Nova York.

A notícia da morte do escritor foi divulgada pelo seu agente literário, Andrew Wylie. Já o biógrafo Blake Bailey, que está escrevendo a biografia de Roth, publicou nas redes sociais que o escritor morreu “rodeado por amigos de longa data que o amavam muito”.

Apesar de ser vencedor de muitos prêmios devido as suas obras, Roth não conseguiu passar seus 60 anos de carreira sem se envolver em polêmica. Pelo seu famoso romance O Complexo de Portnoy, ele foi acusado de antissemitismo por representantes de comunidades judaicas. Na trama, o protagonista fala com o seu psicanalista sobre os Estados Unidos, sexo e judaísmo.

Entre suas principais obras, estão Adeus, Columbus (1959); O Teatro de Sabbath (1995); A Humilhação (2009); e Indignação (2008); além da chamada Trilogia AmericanaPastoral Americana (1997), Casei com um Comunista (1998) e A Marca Humana (2000).

Adeus, Columbus, inclusive, foi o primeiro livro de Philip Roth a torná-lo reconhecido pelo mundo literário. A obra lhe rendeu o prestigiado prêmio National Book Award, em 1960.

O sucesso de seus livros era tamanho que pelo menos seis filmes foram inspirados em suas obras – a maioria já no século XXI. São eles: Paixão de Primavera (1969), Revelações (2003), Fatal (2008), O Último Ato (2014), Indignação (2016) e Pastoral Americana (2016).

Trajetória

Philip Milton Roth nasceu em 1933, em Newark, nos Estados Unidos. Filho de judeus de classe média, o escritor era ateu, afirmando em algumas entrevistas que nunca foi religioso. Mesmo assim, a veia judaica sempre esteve presente na maioria de suas obras, o que gerou críticas de diferentes comunidades judaicas em algumas oportunidades.

Roth tinha um estilo de escrita provocador, usando como base a alta burguesia judaico-americana, e realista. Suas principais obras a serem reconhecidas foram seus romances, apesar de ter escrito diferentes contos e ensaios.

Por sempre parecer falar com propriedade sobre diferentes assuntos, muitas pessoas levantavam a possibilidade das obras serem biográficas, pelo menos em parte. Seu alter-ego, Nathan Zuckerman, apareceu em nove de seus livros.

Seu último livro de ficção publicado foi Nêmesis (2010), dando um fim oficial a sua trajetória como escritor – a obra lhe rendeu o Man Booker International Prize, de 2011. Cinco anos mais tarde, em 2017, Roth ainda publicou uma obra com ensaios feitos entre 1960 e 2013, chamada de Why Write?.

Além de escritor, Roth se dedicou à vida acadêmica. Formado pela Universidade de Bucknell, na Pensilvânia, fez pós-graduação em Literatura na Universidade de Chicago. Mais tarde, atuou como professor de escrita criativa no mesmo local, lecionando também em faculdades do Iowa, Nova Jersey e Pensilvânia. Deixou de lecionar somente em 1992, quando precisou se dedicar exclusivamente à vida de escritor.

O autor americano foi casado em duas oportunidades, com Margaret Martinson, entre 1959 e 1963, e com a atriz britânica Claire Bloom. Seu segundo casamento terminou por causa do seu livro Engano (1990), que descrevia a entediada vida da personagem Claire, que era casada com um escritor adúltero chamado Philip. A atriz viu o manuscrito da obra como uma traição e o casal se divorciou em 1994.

Reconhecimento

“Desde o início da sua longa e prestigiada carreira, a ficção de Philip Roth tem frequentemente explorado a necessidade humana de demolir, de contestar, de resistir e de se separar”, afirmou o comitê do Pulitzer ao conceder o prêmio de Ficção ao escritor americano pelo livro Pastoral Americana, conforme noticiou o jornal português Público.

Ao todo, Roth recebeu mais de 15 prêmios pelas suas obras. Entre as principais premiações, o escritor americano recebeu o National Book Award, o Man Booker International Prize e três vezes o Pen/Faulkner Award.

Mesmo assim, um prêmio que Roth não conquistou, apesar de ter sido indicado e considerado favorito em algumas oportunidades, foi o Nobel de Literatura.

Fontes:
G1-Escritor Philip Roth morre aos 85 anos nos EUA
Adoro Cinema-Morre aos 85 anos o escritor Philip Roth, de Pastoral Americana e Revelações

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *