Início » Cultura » Novos métodos contraceptivos revolucionam a medicina
Ciência

Novos métodos contraceptivos revolucionam a medicina

Mulheres já podem substituir a cirurgia de laqueadura por um método menos incisivo

Novos métodos contraceptivos revolucionam a medicina
Novo procedimento masculino retira a mobilidade do espermatozóide

Laqueadura e vasectomia. Dentro de alguns anos estas podem não ser mais os únicos métodos contraceptivos permanentes para homens e mulheres no Brasil. O mercado de anticoncepcionais traz uma novidade e uma ótima aposta. Um novo procedimento, que já chegou a alguns hospitais públicos brasileiros, e tornou-se padrão na Europa e nos Estados Unidos, obstrui as tubas uterinas sem a necessidade de uma cirurgia.

O procedimento consiste na implantação de filamentos, de cerca de 4 centímetros, atrás da vagina. O material é posicionado nas tubas uterinas, obstruindo-as e impedindo o encontro entre o óvulo e o espermatozóide. O novo método pode ser realizado em consultório, com ou sem anestesia, e leva apenas dez minutos para      finalização. O sistema tem a mesma segurança da laqueadura e também é definitivo.

O número de laqueaduras anuais nos hospitais públicos brasileiros dobrou para 65 mil, entre 2003 e 2009. Mulheres formam imensas filas nos hospitais à espera da cirurgia. Entretanto, para o ginecologista Luciano Pompei, da Federação Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia, o técnica pode não decolar no Brasil devido aos seus altos custos. O valor para este procedimento está em torno dos R$ 7 mil.

Esterilização masculina

No campo masculino, a ciência não ficou para trás. Embora ainda não utilizado em hospitais brasileiros, um novo método promete substituir a vasectomia. O procedimento, ainda mais simples e, convenientemente reversível, injeta uma substancia que destrói a capacidade de locomoção dos espermatozóides. Sem mobilidade, eles não conseguem chegar ao ovulo e fecundá-lo. O novo método ainda está em fase de teste, por diversos pesquisadores, mas nenhum deles arrisca uma data para chegada aos consultórios médicos.

Fontes:
Época - Os sucessores da pílula

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *