Início » Cultura » Redes hoteleiras expandem atividades na África
TURISMO EM ALTA

Redes hoteleiras expandem atividades na África

Redes como Hilton, Marriott e AccorHotels, que administra a Sofitel, aproveitam o aumento do turismo na África para expandir sua presença no continente

Redes hoteleiras expandem atividades na África
O crescimento dos centros urbanos aumentou a procura pelo turismo na África (Foto: Flickr/wild_life)

Atraídas pelo aumento do turismo e o crescimento dos centros urbanos, as grandes cadeias de hotéis estão expandindo suas atividades na África. Na próxima década, turistas africanos e de outros continentes terão mais opções de hospedagem devido aos planos de expansão das maiores redes de hotéis do mundo na África.

Em julho, a AccorHotels, a empresa multinacional de hotelaria que administra os hotéis das redes Sofitel, Novotel e Ibis no continente africano, firmou uma parceria no valor de US$ 1 bilhão com a empresa Katara Hospitality, com sede em Catar, para expandir sua presença no mercado de hotelaria na África Subsaariana. Atualmente, a AccorHotels tem 100 hotéis no continente.

A rede de hotéis Marriott presente em 21 países africanos, tem planos de aumentar em 50% o número de hotéis na África em 2023. Além de aumentar o número de hotéis nos países onde já conquistou o mercado, a Marriott está inaugurando hotéis em Benin, Botswana, Costa do Marfim, Mauritânia, Moçambique e Senegal. No total, a Marriott terá 200 hotéis com 38 mil quartos na África.

A Hilton Africa Growth Initiative, um investimento de US$ 50 milhões da cadeia Hilton, hoje com 41 hotéis na África, irá financiar a inauguração de 100 hotéis com 20 mil quartos em 13 países africanos nos próximos cinco anos.

A empresa de hotelaria Hyatt, menos atuante no setor hoteleiro na África, irá inaugurar nove hotéis até 2020. Segundo especialistas do mercado hoteleiro, diversos países da África, com economias em crescimento e rápida expansão de centros urbanos, são um mercado promissor para o segmento de hotelaria.

O turismo tem crescido em um ritmo regular no continente africano. De 1995 a 2014, o número de turistas estrangeiros aumentou em 6% ao ano, mais do dobro dos anos anteriores. O turismo interno também aumentou e, hoje, os africanos correspondem a quatro entre 10 turistas estrangeiros. Com o recém-criado Single African Air Transport Market, o custo das passagens aéreas nos voos domésticos irá diminuir, o que, por sua vez, aumentará o turismo interno.

Mas as cadeias de hotéis enfrentam a concorrência do Airbnb, o site de anúncios e reservas de hospedagem, que está se expandindo no continente africano. Desde que o serviço online de hospedagem começou a funcionar na África em 2013, o Airbnb reuniu uma lista de 130 mil imóveis e recebeu 3,5 milhões de hóspedes, sendo que metade desse número no ano passado. Em 2017, sete países africanos registraram um aumento de 100% no turismo originário de reservas no Airbnb. E a Nigéria, Gana e Moçambique estão entre os oito países que recebem mais turistas por meio do Airbnb.

Fontes:
Quartz-The world’s biggest hotel chains are in a billion-dollar race to win Africa’s hospitality market

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *