Início » Cultura » Teatro Amazonas
História

Teatro Amazonas

Em 31 de dezembro de 1896, no auge do ciclo da borracha, foiTeatro Amazonas oficialmente inaugurado o teatro que viria a se tornar uma referência para espetáculos nacionais e internacionais. Localizado na Praça São Sebastião, na cidade de Manaus, o Teatro Amazonas é por si só uma obra de arte.

No final do século XIX, Manaus prosperava com a riqueza proveniente da exportação do látex, produto de alto valor para as indústrias européias e americanas. A construção de um espaço adequado para receber grandes espetáculos estrangeiros tornava-se necessária numa cidade que rapidamente se desenvolvia.

Em 1881, a Assembléia Provincial do Amazonas aprovou a proposta de construir um teatro em Manaus. As obras foram iniciadas no final de 1984 e só foram concluídas 12 anos mais tarde. Projetado pelo Gabinete Português de Engenharia e Architetura de Lisboa, contou com o trabalho de arquitetos, escultores e pintores trazidos da Europa para sua construção.

Foi tombado como patrimônio histórico em 28 de novembro de 1966 e é o principal patrimônio cultural do estado do Amazonas.

A diversidade de ambientes e materiais constitui uma arquitetura eclética. Com formas curvilíneas e excelente acústica, o Teatro Amazonas dispensa o uso de amplificadores em corais e espetáculos líricos.

Famoso por abrigar grandes óperas e com capacidade para 700 pessoas distribuídas entre a platéia e os três andares de camarotes, é rico em detalhes majestosos. O grande destaque é o pano de boca, pintado por Crispim do Amaral, que faz referência ao encontro das águas dos rios Negro e Solimões. Para não deteriorar-se, sobe inteiro até a cúpula quando é retirado de cena. O pano nunca foi dobrado ou enrolado.

A cúpula, que pode ser vista de diversos pontos da cidade, é composta por milhares de peças de escamas em cerâmica esmaltada e telhas vitrificadas nas cores da bandeira brasileira.

A pintura no teto do salão nobre também chama a atenção. Assinada por Domenico Angelis e denominada "Glorificação das Belas Artes no Amazonas", representa a Dança, a Pintura, a Música e o Teatro. De qualquer ponto em que se esteja no salão, tem-se a impressão de que o personagem principal da pintura está sempre olhando em sua direção.

Uma semana após a inauguração, a grande companhia italiana dirigida pelo Maestro Joaquim Franco apresentava-se no palco do Teatro Amazonas com a famosa ópera "Gioconda", de Ponchieli. Entre 1897 e 1912, o teatro recebeu importantes companhias de todo o mundo, como as de Giovani Emanuel, Rafael Tomba, Thomaz del Negro e Calil & Arrea.

No ano seguinte, o ciclo da borracha entrou em declínio e a crise se refletiu também no teatro. Deste momento em diante, raras vezes abriu suas portas. Inexplicavelmente, por noventa anos, apenas pequenos espetáculos e eventos cívicos aconteceram naquele prédio monumental.

Só em 1990, o teatro foi restaurado e começou a sair do silêncio. Com a organização do primeiro Festival Amazonas de Ópera, em 1997, e as outras edições que se seguiram, o grandioso Teatro Amazonas finalmente retomou seu brilho.

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

2 Opiniões

  1. christopher disse:

    O Teatro Amazonas é um dos mais importantes teatros brasileiros, foi construído com verba do ciclo da borracha. A história do inicia-se em 1881, quando o deputado A. J. Fernandes Júnior apresentou o projeto para a construção de um teatro em alvenaria, na cidade de Manaus. A proposta foi aprovada pela Assembléia Provincial do Amazonas e começaram as discussões a respeito da construção do prédio. Manaus, que vivia o auge do ciclo da borracha, era uma das mais prósperas cidades do mundo, embalada pela riqueza advinda do látex da seringueira, produto altamente valorizado pelas indústrias européias e americanas. A cidade necessitava de um lugar onde pudessem se apresentar as companhias de espetáculos estrangeiras e a construção do teatro, assim, era uma exigência da época. O projeto arquitetónico escolhido foi o de autoria do Gabinete Português de Engenharia e Architetura de Lisboa, em 1883. No entanto, em meio às discussões a respeito do local para a edificação e os custos da obra, a pedra fundamental só foi lançada em 1884. As obras transcorreram de forma lenta e somente no governo de Eduardo Ribeiro, no apogeu do ciclo da borracha, a construção tomou impulso. Foram trazidos arquitetos, construtores, pintores e escultores da Europa para a realização da obra. A decoração interna ficou ao encargo de Crispim do Amaral, com exceção do salão nobre, área mais luxuosa do prédio, entregue ao artista italiano Domenico de Angelis. A sala de espetáculos do teatro tem capacidade para 701 pessoas, distribuídas entre a platéia e os três andares de camarotes. No salão nobre, com características barrocas, destaca-se a pintura do teto, denominada "A Glorificação das Bellas Artes na Amazónia", de 1899, de autoria de Domenico de Angelis. Destacam-se os ornamentos sobre as colunas do pavimento térreo, com máscaras em homenagem a dramaturgos e compositores clássicos famosos, como Ésquilo, Aristóphane, Moliére, Rossini, Mozart, Verdi, Chopin e outros. Sobre o teto abobadado estão afixadas quatro telas pintadas em Paris pela Casa Carpezot – a mais tradicional da época -, onde são retratadas alegorias à música, dança, tragédia e uma homenagem ao grande compositor brasileiro Carlos Gomes. Do centro, pende um lustre dourado com cristais, importado de Veneza, que desce até ao nível das cadeiras para a realização de sua manutenção e limpeza. Destaca-se, ainda na sala de espetáculos, a pintura do pano de boca do palco, de autoria de Crispim do Amaral, que faz referência ao encontro das águas dos rios Negro e Solimões. O teatro possui diversos ambientes, concebidos com diferentes materiais, daí ser considerado um espaço sobremaneira eclético. É, sem dúvida, o mais importante prédio da cidade, não somente pelo seu inestimável valor arquitetónico, mas principalmente pela sua importância histórica, uma prova viva da prosperidade e riqueza vividos na fase áurea da borracha. O teatro é referência para espetáculos regionais, nacionais e internacionais. Já passaram pelo palco do Teatro Amazonas:

  2. cacilda disse:

    eu gosto do teatro por que lá tem muitas historias emocionantes e muito legal bbbbbbbbbbbbbbeeeeeeeeeeeeeeeeeiiiiiiiiiiiiiiiiiiijjjjjjjjjjjjjjooooooooooooooooossssssssssss.amo minha vida beijjos

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *