Início » Cultura » Turismo » Santa Sofia, Ayasofya, Hagia Sophia
Turismo

Santa Sofia, Ayasofya, Hagia Sophia

Após a Revolução do século XX, quando Constantinopla virou Istambul, a Hagia Sophia foi sabiamente transformada em museu. Por Fernanda Costta

Santa Sofia, Ayasofya, Hagia Sophia
Hagia Sofia (Fonte: Fernanda Costta)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

Santa Sofia para os que ainda não a conhecem, Ayasofya e Hagia Sophia para os que já a visitaram. Só mesmo quando se aproxima da cultura turca é que sabemos ao certo que a Igreja de Santa Sofia não foi dedicada a santa nenhuma. O nome significa “Divina Sabedoria” e foi construída no século VI a mando do Imperador Justiniano, numa época em que o Império Romano tentava reerguer seu poder após constantes invasões bárbaras.

Constantinopla (Bizâncio naquela época) ainda acumulava grandes reservas de ouro devido a exploração comercial do estreito de Bósforo e, com isso, Justiniano pode financiar a obra e criar aquela que seria (e foi) a maior igreja do mundo.

Sua ornamentação de 30 milhões de mosaicos dourados forma um conjunto de enorme beleza e contrasta com os mármores escuros que revestem os pilares e o chão. Seu gigantismo interno tem seu ápice na cúpula de 30 metros de diâmetro e, se alguém naquela época não acreditava num ser superior, bastava entrar na Catedral que a fé viria de imediato.

 

 

Seu apelo católico não durou muito e, com a invasão otomana no século XV, o sultão Mehmet ordenou que a igreja fosse transformada em mesquita. Os mosaicos cristãos foram pintados e sobrepostos por grandes painéis com dizeres do Corão. Minaretes foram construídos e imagens retiradas.

Após a Revolução do século XX, quando Constantinopla virou Istambul, a Hagia Sophia foi sabiamente transformada em museu e deu início a uma grande obra de restauração de seus famosos mosaicos bizantinos. Hoje em dia lá estão eles, lado a lado com os ícones do islamismo. Ambos convivem harmonicamente. Uma cena rara de se ver, talvez possível só mesmo em um museu.

* Fernanda Costta é graduada em Turismo e já visitou mais de 40 países. Há três anos escreve suas aventuras no blog.

Artigo publicado originalmente no blog Viaggio Mondo, parceiro do Opinião e Notícia.

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

1 Opinião

  1. jorge luis luz de queiroz disse:

    Ao ver a transposição do céu para a terra simbolizada em sua Hagia Sofia, Justiniano
    exclamou: Salomão, eu te superei!

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *