Início » Cultura » Uma faceta diferente da guerra civil americana
História

Uma faceta diferente da guerra civil americana

Por que a guerra civil nos Estados Unidos entre o Norte e o Sul, teve importância para o resto do mundo?

Uma faceta diferente da guerra civil americana
Mais do que qualquer outro estudo anterior, o livro narra a história de como a guerra civil norte-americana foi observada (Foto: Reprodução/Internet)

Os historiadores que analisam a guerra civil dos Estados Unidos estão na mesma posição pouco invejável dos estudiosos de Shakespeare. Suas áreas de estudo foram tão pesquisadas que é quase impossível encontrar uma informação nova ou inusitada. Mas Don Doyle, um professor da Universidade da Carolina do Sul, quebrou esse tabu com o livro The Cause of All Nations: An International History of the American Civil War, um trabalho instigante que expõe uma faceta diferente da guerra. Mais do que qualquer outro estudo anterior, o livro narra a história de como a guerra civil norte-americana foi observada, discutida e qual foi a reação que provocou no exterior e como essa reação influenciou o curso da guerra no país.

Doyle lembra aos leitores que a guerra começou apenas 13 anos depois das revoltas na Europa em 1848. Na época a experiência de um governo independente dos EUA durante 80 anos encaminhava-se para um fim violento; os monarquistas e aristocratas europeus reagiram com alegria, os republicanos com desespero.

Tanto a União como os Estados Confederados da América procuraram apoio em outros países, além de recursos financeiros. Emretrospecto, parece claro como os dois lados alinharam-se: os abolicionistas da União encontraram um parceiro natural entre os republicanos, que incentivavam a soberania popular na Europa, enquanto os Estados Confederados, com sua pseudoaristocracia apoiada nos lucros do trabalho escravo, tiveram a aprovação das forças reacionárias da Europa.

No entanto, no início da guerra a situação não era tão simples. Os diplomatas confederados organizaram sua luta de acordo com os princípios liberais da autodeterminação. Na opinião deles, observou Doyle, era um conflito “decorrente da visão diferente de sociedades industriais e agrárias, e não de liberdade e escravidão”. Porém a reação do Norte foi de surpresa, com uma postura legalista e violenta. O secretário de Estado dos EUA ameaçou “incendiar o mundo inteiro”, e declarou guerra total a qualquer estado que ousasse ajudar os Estados Confederados. Por razões internas, Abraham Lincoln, então presidente dos Estados Unidos, absteve-se de dizer que a escravidão fora o principal motivo da guerra.

A maioria dos historiadores da guerra civil examina as consequências e o legado do conflito para os Estados Unidos. DonDoyle, ao contrário, analisa como a guerra civil foi importante para o resto do mundo: a liberdade e a democracia derrotaram a escravidão e os proprietários de terras.

Fontes:
Economist-The whole family of man

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *