Início » Cultura » Yevgeny Yevtushenko, mais que um poeta
OBITUÁRIO

Yevgeny Yevtushenko, mais que um poeta

Morto no dia 1º de abril, o poeta russo Yevgeny Yevtushenko é considerado um idealista, cujo humanismo transcendia a Guerra Fria

Yevgeny Yevtushenko, mais que um poeta
Yevtushenko se tornou a estrela do rock da poesia de sua época (Foto: Wikimedia)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

Em 1961, ao visitar Babi Yar, uma ravina em Kiev, capital da Ucrânia e local de um dos maiores massacres de judeus pelos nazistas, Yevgeny Yevtushenko não viu nenhum monumento em homenagem às quase 34 mil vítimas do Holocausto, apenas caminhões despejando pilhas de lixo fétido. Em seguida, Yevtushenko escreveu o poema “Babi Yar”, no qual denunciou os nazistas, o antissemitismo que se disseminara pela União Soviética e o esquecimento do massacre na memória de seu povo.

Para seus admiradores, o episódio sintetizou a essência do caráter do Yevtushenko que eles amavam. Um idealista que falava em nome de sua geração, um homem cujo humanismo transcendia a Guerra Fria. Sua presença carismática na leitura de suas obras e de outros escritores atraía milhares de pessoas e Yevtushenko se tornou a estrela do rock da poesia de sua época. Ele vendia milhões de livros, um privilégio que poucos poetas russos compartilhavam.

Yevtushenko tinha uma técnica perfeita. Na adolescência ele procurava uma rima para cada palavra russa. O resultado nem sempre era sutil, mas não perdia o impacto. Mesmo seu crítico Joseph Brodsky, um grande poeta russo que vivia no exílio, dizia que conhecia de cor centenas de versos de seus poemas. Eles eram simples, com temas que abordavam o amor e a saudade, a memória e o esquecimento, o orgulho e a humilhação. O segredo, dizia, era criar “um vínculo entre a palavra e o coração”.

Depois de 1991, seu prestígio diminuiu. A Rússia pós-soviética perdeu o entusiasmo pela leitura de poesia em público. A partir dessa data, Yevtushenko dedicou grande parte de seu tempo como professor na Universidade de Tulsa, Oklahoma. Em um de seus últimos poemas, Yevtushenko lamentou a morte de Václav Havel, o filósofo, escritor e dramaturgo tcheco, com a frase final: “Quem nos dirá o que fazer em seguida?”

Fontes:
The Economist-Obituary: Yevgeny Yevtushenko died on April 1st

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *