Início » Vida » Comportamento » Redução no consumo de margarina afeta mundo corporativo
GORDURAS

Redução no consumo de margarina afeta mundo corporativo

A preferência dos consumidores por alimentos naturais e os perigos da ingestão de gorduras trans causaram uma queda na demanda de margarina

Redução no consumo de margarina afeta mundo corporativo
Hoje, o americano médio consome apenas 1,6 kg de margarina por ano (Foto: Wikimedia)

A discussão sobre o consumo de gorduras é controversa. Durante anos os médicos aconselharam os pacientes a excluir as gorduras da alimentação. As gorduras saturadas, segundo eles, eram extremamente prejudiciais à saúde. Por esse motivo, por um longo tempo os consumidores deram preferência aos óleos vegetais hidrogenados da margarina e o consumo de manteiga diminuiu. Mas duas tendências estão revertendo essa preferência dos consumidores.

Primeiro, os médicos não têm mais uma visão tão radical contra a ingestão de gordura. Mas alertam para o perigo do consumo das gorduras trans presentes em alguns alimentos, entre eles a margarina. Essa gordura que passa por um processo de hidrogenação aumenta os níveis de colesterol ruim, o LDL, e diminui a taxa de colesterol bom, o HDL, no organismo. Com isso, aumenta o risco de doenças como arteriosclerose, infarto e acidente vascular cerebral.

Em segundo lugar, os consumidores estão preferindo os alimentos naturais, entre os quais a manteiga e o azeite. Hoje, o americano médio consome apenas 1,6 kg de margarina por ano, em comparação com mais de 5 kg por pessoa no início da década de 1990.

Essas mudanças afetaram o mundo corporativo. Em 6 de abril, a multinacional anglo-holandesa Unilever anunciou que irá vender suas fabricantes de margarina diante da queda da demanda. Essa decisão, embora possa dar um retorno aos acionistas, tem um custo sentimental. A empresa Unilever foi fundada em 1929 pela fusão da fabricante holandesa de margarina Margarine Unie com a empresa inglesa Lever Brothers.

Fontes:
The Economist-Margarine sales: investors can’t believe they’re not better

1 Opinião

  1. laercio disse:

    Não há de se lamentar o encerramento de quaisquer atividades, pois, as demandas farão surgir novas ofertas e, tal compensação trará o equilíbrio econômico necessário as parcelas de famílias que eram atendidas por tais relações de ofertas e procura.

    A propósito vale salientar que há outros vários produtos que vão te levar para o caixão mais cedo!
    … Daí vai aparecer um e falar: ah, todos vamos morrer um dia…

    É verdade, o problema é quando não morre mas fica vivo dependendo de terceiros para tudo!
    Depender de terceiros para tudo!

    Depender de terceiros para tudo!
    Tudo!

    Tudo!

    Você faz ideia do que isto seja?
    Experimente um dia ficar voluntariamente em uma cadeira de rodas…

    Então acorde e rompa com a cultura do prazer inseguro…
    Nós comemos por prazer em primeiro lugar! Alguns poucos comentários por atender a demanda nutricional…
    Mas a maioria come por prazer!..

    Beleza, continue sentindo prazer mas faz uma seleção e rompe com a cultura do “todo mundo come, eu como”…

    O Brasil é um país especialista na arte de implantar culturas destrutivas a seu próprio povo, principalmente em se tratando de alimentícios…

    O povo não é instruído sobre o que é melhor!
    As empresas bombardeiam nossos lares através dos “B52 chamados de TV” com todo tipo de imundície! A última “novela” foi a dá carne.

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *