Início » Economia » A falsa penitência dos ricos
Capitalismo

A falsa penitência dos ricos

Colunista do site 'Bloomberg View' argumenta que a presunção de que o capitalismo é imoral é equivocada, e que os ricos não devem se desculpar por serem ricos

A falsa penitência dos ricos
Ganhar dinheiro através de empreendimentos capitalistas faz bem à sociedade, diz autor (Foto: Flickr)

A ideia de que o capitalismo é um sistema moralmente falho é uma falácia muito popular.

De acordo com esse ponto de vista, a tragédia humana é que alternativas eticamente superiores, tais como o socialismo, não parecem ser viáveis. O capitalismo, portanto, deve ser tolerado como um mal necessário. Nesta visão, a filantropia de capitalistas ricos não basta para corrigir seus malfeitos.

Em uma recente palestra no Instituto Aspen, uma ONG que organiza seminários para líderes nos EUA, o escritor americano Anand Giridharadas convidou os plutocratas capitalistas que pagam por esses encontros a refletir sobre seus pecados e a parar de imaginar que cheques para apoiar boas causas é penitência suficiente. Essa ideia de que o capitalismo é imoral é praticamente um consenso entre os frequentadores desses eventos.  Para eles, a generosidade dos ricos não pode ter limites. 

O capitalismo é um bem em si

O que essas pessoas não enxergam é que mesmo quando os capitalistas de maior sucesso da atualidade – Bill Gates, por exemplo –, estão única e exclusivamente focados em ganhar dinheiro, eles ainda estão prestando um serviço incrível para o resto da população. O bem que eles fazem se resume, especificamente, em seu desejo de vender coisas que qualquer um está livre ou não para comprar, ou seja, no capitalismo.

O capitalismo apresenta uma grande vantagem ética. Atividades capitalistas são voluntárias, enquanto o socialismo é sistemicamente dependente da coerção. A presunção de que o capitalismo é imoral é equivocada.

E quanto à visão de que o capitalismo, na prática, traz à tona o pior das pessoas? Novamente, isso é questionável na melhor das hipóteses. Não é apenas uma questão de argumentar que o capitalismo é melhor que as alternativas nesse quesito, o que parece ser verdade. Uma interpretação de mente aberta da história sugere que o capitalismo realmente traz à tona o melhor das pessoas. Como antecipou o filósofo e economista Adam Smith em “A riqueza das nações”, o comércio civiliza.

O erro daqueles que vilanizam o capitalismo é ver o sistema como moralmente falho, ao invés de apenas moralmente incompleto. Justiça social exige muito mais do que um sistema de produção e de troca. Surgem questões morais que o capitalismo não responde, sobre oportunidade, desigualdade e o que devemos uns aos outros como cidadãos e habitantes do mesmo planeta. A política serve para respondê-las.

O capitalismo, como tal, não tem boas respostas – mas, longe de ser parte do problema, o sistema é a condição indispensável para encontrá-las.

Fontes:
Bloomberg View - Are you rich? No need to apologise

1 Opinião

  1. Roberto1776 disse:

    Agora tente explicar isso a um esquerdista que só concebe a ideia de DIVIDIR o que foi produzido pelos empreendedores!
    Existe algum empreendedor de esquerda? Só conheço um, aquele que escreveu “virando a própria mesa”. Ah! e o falecido vice de lula, o Alencar.

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *