Início » Economia » Zimbábue defende a exportação de elefantes à China
MEIO AMBIENTE

Zimbábue defende a exportação de elefantes à China

País vende animais selvagens para China, em parte, porque a China paga bem

Zimbábue defende a exportação de elefantes à China
Ambientalistas dizem que cada elefante pode custar US$ 50 mil (Foto: Pixabay)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

Vender elefantes para a China é a nova estratégia do Zimbábue de levantar dinheiro. No passado, a política de exportação de animais selvagens para a China caiu por conta dos ambientalistas, que perceberam uma alta demanda por marfim, que poderia ser tirado das presas dos elefantes. Em junho, a Convenção sobre o Comércio Internacional de Espécies da Flora e Fauna Selvagens em Perigo de Extinção (Cites, na sigla em inglês) estabeleceu que um negócio de venda de 24 animais para a China era ilegal, mas ele aconteceu mesmo assim.

Leia também: Não se chora por leões no Zimbábue

Quando os animais chegam na China, eles vão para o Chimelong Safari Park em Guangdong. Enquanto alguns dizem que os animais são usados em apresentações típicas de circo, a ministra do Meio Ambiente do Zimbábue, Oppah Muchinguri-Kashiri, disse que visitou o parque e que não é tão ruim assim.

“Eu estou satisfeita que os animais estão em boa forma e que estão sendo bem tratados”. Além disso, ela acrescentou que, por conta de uma seca no país, os elefantes morreriam se não fossem exportados. “É melhor vendermos, especialmente para aqueles que vão tratá-los bem. Tanto faz o que nossos ambientalistas dizem, nós não nos importamos”.

Os países têm uma relação próxima, principalmente, depois que o país africano anunciou recentemente a adoção do yuan como sua moeda oficial – parte de um acordo em que Pequim vai cancelar US$ 40 milhões de débito.

A ministra admitiu que o novo plano é, em parte, por causa do dinheiro (ambientalistas estimam que cada elefante deva custar aproximadamente US$ 50 mil, e o Zimbábue já vendeu cerca de cem a Pequim). “Nós estamos aqui na China também para olhar tecnologia anti-caça e de vigilância como aviões-robô e helicópteros, porque os caçadores estão ficando cada vez mais sofisticados”, disse a ministra.“Todas essas coisas precisam de dinheiro e nós devemos levantá-lo”. Segundo Muchinguri-Kashiri, o país também deve vender babuínos, hienas e leões à China, caso necessário.

 

Fontes:
The Washington Post-Zimbabwe plans to export more elephants to China, and no it won’t say sorry

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *