Início » Economia » A postura ‘antidemocrática’ da classe média chinesa
CHINA

A postura ‘antidemocrática’ da classe média chinesa

O comportamento atípico da classe média chinesa diverge dos ideais democráticos de outras sociedades asiáticas

A postura ‘antidemocrática’ da classe média chinesa
Poucas pessoas da classe média chinesa querem um regime mais democrático para o país (Foto: Pixabay)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

Antes do final da década de 1990 a classe média era praticamente inexistente na China. No ano 2000, 5 milhões de famílias tinham entre US$ 11,5 mil e US$ 43 mil de renda por ano; hoje, 225 milhões de famílias têm essa mesma renda. Em 2020, o número de pessoas de classe média na China superará o de europeus. Esse desenvolvimento surpreendente estimulou o crescimento no mundo inteiro e transformou a China.

Os arrozais foram substituídos por arranha-céus e as bicicletas por engarrafamentos de trânsito. Um país com uma sociedade fechada se tornou mais cosmopolita. No ano passado, os chineses  fizeram 120 milhões de viagens ao exterior, um aumento de quatro vezes em dez anos. Um número crescente de chineses participa das redes sociais.

No entanto, essa evolução social e econômica não foi acompanhada por uma transformação política. Em outros países autoritários que se desenvolveram economicamente, a nova classe média exigiu mudanças políticas. Na Coreia do Sul os protestos de estudantes na década de 1980 derrubaram o regime militar. Nos anos 1990, as aspirações democráticas da classe média em Taiwan forçaram o governo autoritário a realizar eleições livres.

Muitos analistas acreditam que a China é uma exceção a esse padrão. Inúmeras cidades chinesas são tão ricas como as cidades da Coreia do Sul e de Taiwan, quando começaram a se opor ao autoritarismo. Entretanto, desde que os tanques do Exército Popular de Libertação suprimiram os protestos na Praça da Paz Celestial em 1989, não houve mais grandes mobilizações na China com reivindicações democráticas. O presidente Xi Jinping, por sua vez, mantém uma atitude de desprezo em relação aos ideais da democracia.

Essa postura do governo tem atingido seus objetivos. O presidente Jinping é admirado na China como um líder político forte, que combate a corrupção. Poucas pessoas da classe média chinesa querem um regime mais democrático para o país, não só porque a liberdade de expressão lhes poderia causar problemas. Muitos chineses acompanharam o caos e o aumento da repressão após a Primavera Árabe. Alguns veem na decisão do Reino Unido de sair da União Europeia (UE) um sinal que os eleitores comuns não são confiáveis para solucionar questões políticas complexas.

O governo chinês não hesita em reprimir com rigor os movimentos dissidentes e as críticas à política governamental, mas os chineses têm liberdade de ganhar dinheiro e de ter uma ascensão social. Desde que se mantenham longe da política, são livres para expressar suas ideias e viver como gostam.

Fontes:
The Economist-225m reasons for China’s leaders to worry

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

1 Opinião

  1. Markut disse:

    Algo que faz pensar nuna frase de Clint Eastwood, o eterno cow boy:”tenha uma arma carregada e faça os outros cavarem”. Longe das idéias iluministas, a natureza humana é inamovivel.

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *