Início » Economia » Artigo associa desigualdade étnica a baixo crescimento econômico
etnias e desenvolvimento

Artigo associa desigualdade étnica a baixo crescimento econômico

Artigo feito por três economistas afirma que quanto maior a desigualdade étnica, menor é o crescimento econômico de um país

Artigo associa desigualdade étnica a baixo crescimento econômico
Família em Darfur, no Sudão. África Subsaariana, leste e sul da Ásia são as regiões com maior desigualdade étnica (Foto: Wikipedia)

Economistas de todo mundo concordam que a desigualdade prejudica o crescimento econômico de um país. Agora, um artigo feito por três economistas oferece um novo olhar para essa questão. Para eles, não é a desigualdade em si que afeta o crescimento de um país, mas sim a desigualdade entre diferentes grupos étnicos.

Intitulado “Desigualdade Étnica” o artigo foi elaborado pelos economistas Alberto Alesina, Stelios Michalopoulos e Elias Papaioannou. Nele, os autores identificam 2.129 etnias e 7.581 grupos linguísticos em 173 países.

Depois, eles avaliaram o poder econômico destes grupos. Para isso, foram usadas imagens noturnas, capturadas por satélites, para analisar o acesso à luz elétrica. Regiões mais iluminadas à noite indicam uma população com maior poder econômico.

Os economistas descobriram que África Subsaariana, o leste e o sul da Ásia são as regiões com maior desigualdade étnica. A Europa, por sua vez, é a região com a menor desigualdade entre etnias. Os autores descobriram ainda que conforme a desigualdade étnica cai, a renda per capita aumenta.

Segundo os autores, a desigualdade entre etnias reflete uma distribuição geográfica desigual de recursos, como terra fértil e saída para o mar. O estudo também revela que países comandados por minorias étnicas poderosas são menos propensos a fazer reformas que beneficiem o resto da população.

Fontes:
The Economist-The ins and outs

1 Opinião

  1. Hugo Leonardo Filho disse:

    A orígem da desigualdade entre os homens é econômica e não étnica. Não podemos confundir causa com consequência. Como bem ensina a sabedoria popular: se o fubá da economia é pouco, o angú da minha raça vem primeiro.

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *