Início » Economia » Banco Central sinaliza redução da Selic para 6,25%
ECONOMIA

Banco Central sinaliza redução da Selic para 6,25%

Expectativa é que o corte na taxa básica de juros seja anunciado na reunião do Copom da próxima terça-feira, 15, e mantido até final de 2018

Banco Central sinaliza redução da Selic para 6,25%
Com a redução, a Selic vai alcançar a sua menor taxa desde o início da série histórica do BC, em 1986 (Foto: Marcello Casal Jr/Agência Brasil)

A taxa básica de juros (Selic) deve sofrer um novo corte na próxima quarta-feira, 16. Com a inflação baixa, o mercado financeiro está na expectativa de que o Banco Central (BC) reduza a Selic para 6,25%, o que deverá ser mantido até o final de 2018.

Os economistas acreditam que a Selic será reduzida, pois, na última reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), do BC, foi sinalizado que um novo corte na taxa básica de juros seria efetuado pela última vez no ano. Com a medida, o BC espera estimular a produção e o consumo, além de reduzir os juros básicos.

“Continuamos com a expectativa de mais uma queda de 0,25 ponto percentual, que vai ser a última, nesse nosso cenário. A situação ainda é confortável do ponto de vista da inflação. […] Além disso, as expectativas continuam bem ancoradas, inclusive abaixo das metas, tanto para este ano, como para 2019. Isso dá condições para que o Banco Central confirme a sinalização que tinha dado na reunião passada de que promoveria mais um corte na reunião de maio”, afirmou Silvio Campos Neto, economista sênior da Tendências Consultoria, em entrevista à Agência Brasil.

Caso a previsão se confirme na próxima reunião do Copom, que terá início na próxima terça-feira, 15, a Selic vai alcançar a sua menor taxa desde o início da série histórica do BC, em 1986. A taxa básica de juros serve como referência para outras taxas de juros da economia e é usada nas negociações de títulos públicos no Sistema Especial de Liquidação e Custódia (Selic).

“Ao longo do segundo semestre do próximo ano, teremos uma recomposição de parte dessas quedas. Nosso número para o fim de 2019 é 7,75% ao ano, mas claro que isso vai depender muito do desfecho do quadro eleitoral e das escolhas que o próximo governo fizer. Esse é um cenário básico de continuidade da agenda econômica”, afirmou o economista, já prevendo altas na taxa Selic para 2019.

Ao modificar a Selic, o BC foca na meta da inflação de 2018, que é de 4,5%, com variações inferior de 3% e superior de 6%. Segundo pesquisas do Banco Central, a inflação deve fechar o ano em 3,49%. De acordo com Campos, a variação na cotação do dólar não tem grande influência na previsão da inflação devido à atual ociosidade da economia brasileira e sua “lenta” recuperação.

“O câmbio é sempre um risco. Não só pode ser uma alta duradoura, como pode se intensificar dependendo do quatro político-eleitoral. A inflação tende a continuar baixa, sim. É claro que um estouro do câmbio lá na frente pode ter um efeito um pouco maior. Mas por enquanto é um cenário bastante confortável. Não é essa pressão atual [de alta do dólar] que levaria o Banco Central a mudar de ideia”, explicou Silvio Campos Neto sobre a provável redução da taxa Selic.

As afirmações de Campos foram reforçadas pelo também economista Alexandre Espírito Santo, da Órama Investimentos. Segundo ele, a taxa Selic deve ser reduzida e mantida em 6,25% até o final de 2018 para colocar a inflação “mais perto do centro da meta”. Além disso, o economista também relacionou a alta do dólar à força da moeda no mercado internacional.

“Lá fora o dólar está forte no mercado internacional. Isso por conta da perspectiva da mudança da política do Banco Central americano [expectativa de aumento dos juros nos Estados Unidos, o que atrai dinheiro para economias avançadas, provocando a fuga de capitais financeiros de países emergentes, como o Brasil]. Existe um outro motivo que é o estresse no mercado da Argentina”, destacou, lembrando que a Argentina está recorrendo ao Fundo Monetário Internacional por ajuda financeira.

 

Leia também: FMI melhora previsão do PIB brasileiro para este ano
Leia também: Para que serve a taxa Selic?

Fontes:
Agência Brasil-Selic deve ter última redução deste ciclo nesta semana

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *