Início » Economia » Blogs de economia a serviço da informação
Internet

Blogs de economia a serviço da informação

Não importa o que você pense sobre o impacto dos blogs no debate político, centífico ou religioso, é difícil dizer que a internet vulgarizou o diálogo global sobre economia

Blogs de economia a serviço da informação
Blogueiros economistas enriquecem debates sobre como evitar novas crises (Reprodução/Economist)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

Blogs são acusados de vulgarizar o debate em algumas áreas, mas não há dúvida que eles enriqueceram o diálogo sobre a economia.

Em uma era em que um blog pode ser criado com alguns cliques, nem todos concordam que mais vozes e mais escolhas beneficiam a qualidade do debate. Cass Sunstein, professora de direito em Harvard, argumentou que, por permitir que as pessoas se refugiem em “casulos de informação” nas quais elas só ouvem opiniões com as quais elas concordam, a blogosfera encoraja a polarização – um medo de muitos políticos.

Revoluções anteriores na imprensa, como o advento da impressão, geraram preocupações semelhantes quanto à banalização e o extremismo. Mas não importa o que você pense sobre o impacto dos blogs no debate político, centífico ou religioso, é difícil dizer que a internet vulgarizou o diálogo global sobre economia. Pelo contrário, ela o enriqueceu.

Pesquisas (feitas por dois economistas blogueiros no Banco Mundial) sugerem que artigos acadêmicos citados por blogueiros têm muito mais chances de serem baixados na internet. Economistas blogueiros têm mais prestígio do que não-blogueiros com o mesmo número de publicações. Blogs deram a ideias que não chegaram a prosperar dentro do mercado acadêmico, como a teoria “austríaca” do ciclo de negócios, uma segunda chance. Eles também deram voz a acadêmicos que antes viviam na obscuridade, promovendo corajosas soluções ao conflito econômico nos Estados Unidos e à crise auto-infligida na Europa.

Um bom exemplo é Scott Sumner da Bentley University, que acredita que o Federal Reserve norte-americano deve prometer restaurar o PIB “nominal” (ao invés do PIB “real”, que leva em consideração a inflação) para a época pré-crise. Já que a inflação está de acordo com o objetivo implícito do Federal Reserve, mas o PIB nominal está mais de 11% abaixo do seu nível pré-crise, a proposta de Sumner pode exigir uma política monetária bem mais expansiva do que qualquer outra que o Federal Reserve considerou até agora. Essa ideia foi discutida décadas atrás, mas caiu na obscuridade durante os anos antes da crise, quando o combate a inflação parecia funcionar. Alternativas a essa noção convencional de repente se tornaram um assunto popular, e os blogs têm trazido à luz especialistas para falar sobre elas.

Fontes:
Economist - A less dismal debate

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

2 Opiniões

  1. Antonio Ribeiro Guimarães disse:

    O assunto é dificil e cruel, para os desonestos dos três poderes da república brasileira, que acham que, o capital e o trabalho são obrigados a sustentá-los, com as
    suas malevolência corruptivas contra as pessoas
    ordeiras do setor produtivo,solapando a sua economia desonestamente, em que o legislativo
    legisla em causa própria e o judiciário, julga
    em causas próprias, protegendo a si mesmos,sem a devida transparência dos seus devidos deveres morais e cívicos.

  2. Paulo Fernando disse:

    Penso que os Blogs em economia tem contribuidos muito para desvendar o mistério da ciencia econômica e talvez futuramente os Países não serem surpreendidos com as crises.

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *