Início » Economia » Bolsa de Xangai sofre queda de 7,7% após aumento de fiscalização
Internacional

Bolsa de Xangai sofre queda de 7,7% após aumento de fiscalização

Anuncio do governo de maior regulação sobre o empréstimo especulativo provoca venda em massa de ações no mercado

Bolsa de Xangai sofre queda de 7,7% após aumento de fiscalização
Investidor em pregão na China. Preocupação do governo com o endividamento levou ao aumento da regulação (Foto: Reprodução/Internet)

A bolsa de valores de Xangai sofreu a sua pior queda desde 2008, 7,7%. O recuo se deve à nova política de fiscalização do mercado financeiro chinês, que aumentou a rigidez da supervisão sobre a prática do empréstimo especulativo, ato de emprestar a investidores para eles comprarem ações. A mudança suspendeu operações desse tipo em três das principais corretoras do país. O objetivo do governo era conter a subida do mercado de ações, que estava fora de controle.

Ainda que a nova política tenha levado os investidores a uma venda em massa das ações, o governo chinês afirma que não teve a intenção de esfriar o mercado. Nesta segunda-feira, 19, um porta-voz da Comissão Regulatória de Ações da China, Deng Ge, afirmou que o aumento da fiscalização não deve ser “superinterpretado”.

“O mercado interpretou isso como um movimento coordenado dos reguladores para frear o mercado de ações, mas isso não está consistente com os fatos. Não superinterpretem o mercado de ações”, afirmou Deng Ge, segundo o New York Times.

Especialistas afirmam que o aumento da regulação tem como objetivo redirecionar o capital, que será injetado pelo Banco Central Chinês na economia, para a criação de empregos e o aumento de investimentos e não exclusivamente para o mercado especulativo.

O empréstimo especulativo fez com que o mercado crescesse 196% no ano passado e alavancaram as ações chinesas em 53%. Apesar disso o governo teme que o crescimento entre o nível de endividamento e o patrimônio, por isso aumento a fiscalização.

Queda afeta bolsa brasileira

A redução das ações da bolsa chinesa gerou reações no mercado nacional. As ações da Vale, que tem como principal cliente de seus minérios os investidores chineses, foram puxadas para baixo devido ao “mau-humor” do mercado asiático, fazendo com que a Bovespa também operasse em queda nesta segunda-feira. As ações da mineradora brasileira tiveram queda de 1,87% (ON, com direito a voto) e 1,45% (PN, sem voto).

O feriado de Martin Luther King nos EUA, que mantiveram a bolsa de valores de Wall Street fechada hoje, também contribuíram para o recuo do mercado da Bovespa.

“Qualquer evento vindo da China tem impacto direto na Vale, mas a companhia já está em trajetória de queda há bastante tempo e é difícil ver uma recuperação para a ela. Além do preço baixo, os estoques de minério de ferro estão em níveis absurdos na China, então a conjuntura é muito ruim para o setor. A queda de hoje não acrescenta nada novo”, concluiu o sócio da Jive Asset Management, Leonardo Monoli.

Fontes:
O Globo-Ações da China têm pior queda desde 2008 após aperto na regulação de operações
O Globo-Bovespa opera em baixa puxada por Vale em dia de maior queda em 6 anos na China

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *