Início » Economia » Bombardier concentra sua área de atuação na produção de jatos corporativos
Aviação

Bombardier concentra sua área de atuação na produção de jatos corporativos

A empresa canadense Bombardier está tentando ser bem-sucedida em seu investimento em um novo avião

Bombardier concentra sua área de atuação na produção de jatos corporativos
Mas, assim como muitos aviões novos, o cronograma de fabricação do CSeries sofreu um atraso e ultrapassou o orçamento previsto (Foto: Wikimedia)

Embora tenha começado suas atividades como fabricante de snowmobiles, hoje, a Bombardier concentra sua área de atuação na produção de jatos corporativos, pequenos jatos “regionais” para companhias aéreas e trens. No entanto, há muito tempo que a empresa canadense sonhava em quebrar o monopólio da Boeing e da Airbus na aviação comercial. Durante 11 anos a Bombardier investiu tempo e dinheiro no projeto de produção do CSeries, um avião com a capacidade de transportar de 100 a 149 passageiros para competir com o Boeing 737 e o Airbus A320, aviões um pouco maiores.

Mas, assim como muitos aviões novos, o cronograma de fabricação do CSeries sofreu um atraso e ultrapassou o orçamento previsto. As encomendas são poucas. E outros negócios da empresa de controle familiar, que direcionaram seus recursos para o projeto do novo avião, estão em dificuldades. É possível que o CSeries seja um fracasso comercial e que a Bombardier tenha problemas financeiros sérios antes de o avião começar a dar lucro.

Até o momento, a empresa só recebeu 243 pedidos de compra do CSeries, alguns dos quais talvez não se concretizem, embora precise vender 400 aviões para atingir pelo menos um ponto de equilíbrio entre o total de custos e de receitas. A Boeing e a Airbus têm 2.700 e 3.600 pedidos de compras, respectivamente, para seus novos aviões. A Bombardier está gastando US$1,5 bilhão por ano no projeto do CSeries e analistas temem que, se a empresa reduzir os preços para atrair mais clientes, nos próximos dois anos, ou um pouco mais, o grupo poderá esgotar suas reservas financeiras.

Fontes:
The Economist-The Canadian firm is struggling to make its bet on a big new plane pay off

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *