Início » Economia » Brasil lança alerta mundial para ‘guerra de moedas’
Câmbio

Brasil lança alerta mundial para ‘guerra de moedas’

Guido Mantega foi um dos poucos a alertar sobre os perigos das políticas de desvalorização monetária artificial, diz 'Financial Times'

Brasil lança alerta mundial para ‘guerra de moedas’
Desvalorização cambial em busca de competitividade pode inflamar tensões entre os países

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

Após afirmar que “estamos em uma guerra das moedas”, o ministro da Fazenda, Guido Mantega, lançou um alerta mundial.  Na terça-feira, 28, o jornal norte-americano “Financial Times” evidenciou o ministro como uma das poucas autoridades a admitir publicamente o surgimento de uma “batalha” decorrente da estratégia dos governos de desvalorizarem suas moedas para aumentar a competitividade no mercado externo.

As afirmações de Mantega foram precedidas de uma série de intervenções de bancos centrais no Japão, na Coreia do Sul e em Taiwan, numa tentativa de conter a alta de suas moedas.  O caso mais representativo é o da China, cuja política de intervenção para suprimir o valor do yuan continua inflamando tensões – a despeito da pressão norte-americana para que o país permita a valorização de sua moeda.

Leia também: Estados Unidos torcem por valorização do yuan

A proliferação de países que adotam a medida vem dificultando a articulação em fóruns econômicos internacionais. Cada vez mais, minguam as esperanças dos Estados Unidos de unir os países na próxima cúpula do G20 para pressionar a China acerca de suas intervenções para prevenir a alta do yuan.  Mesmo que muitos dos países interventores provavelmente sejam favoráveis a uma reavaliação do yuan, poucos estão dispostos a desafiar a China publicamente.

Para o Brasil, que exporta commodities para os chineses, confrontar publicamente o país  é ainda mais improvável. Na última semana, Celso Amorim, ministro de relações exteriores, afirmou que “não queria fazer parte de uma campanha organizada”, rechaçando a ideia de pressionar outro país em busca de soluções. “Não podemos esquecer que a China é nosso principal cliente”, afirmou o ministro.

A maioria dos especialistas acredita que esse tipo de intervenção na moeda pode elevar tensões entre os países, incitando um espírito de competição e não de cooperação. “Misturar intervenção e política monetária pode ser perigoso. Tentar calibrar a extensão da intervenção será muito difícil quando as pessoas não souberem muito bem o que estão fazendo”, afirmou Ted Truman, oficial do Instituto Peterson, em Washington, e antigo funcionário do Tesouro.

Leia mais:

Yuan alcança maior valor desde 2005

Fontes:
CNN.com - Hostilities escalate to hidden currency war

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *