Início » Economia » Brasil tem ‘apagão’ de trabalhadores braçais
Construção civil

Brasil tem ‘apagão’ de trabalhadores braçais

'Construção civil está cada vez mais se tornando um setor de meia idade', disse o coordenador de um estudo da FGV

Brasil tem ‘apagão’ de trabalhadores braçais
Trabalhadores da construção civil ainda ganham abaixo dos trabalhadores dos demais setores

O setor que responde por 63% dos investimentos totais na economia brasileira, o da construção civil, vive um chamado “apagão” de mão de obra, e o aumento da escolaridade está no cerne desta questão.

Esta é a conclusão da pesquisa Trabalho, Educação e Juventude na Construção Civil, da Fundação Getúlio Vargas (FGV), apresentada nesta terça-feira, 5, em São Paulo.

Escolaridade maior afasta jovem do trabalho braçal

A pesquisa mostrou que entre 1996 e 2009 o percentual de trabalhadores de até 29 anos de idade na construção civil diminuiu à medida que o nível de escolaridade desses trabalhadores foi aumentando.

O estudo mostrou também que os trabalhadores da construção civil ainda ganham abaixo dos trabalhadores dos demais setores: R$ 933 contra uma média de R$ 1.094. O coordenador do estudo, Marcelo Neri, diz que “a construção civil está cada vez mais se tornando um setor de meia idade”.

Fontes:
Estadão - Aumento da escolaridade afasta jovem da construção civil, diz FGV

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

6 Opiniões

  1. Carlos U. Pozzobon disse:

    Ué?! Mas não parece que seja isso. Primeiro: a escolaridade sempre foi desejada para melhorar o nível do trabalhador. Segundo: se houver escassez de mão-de-obra o salário deve aumentar, permitindo melhoria no nível de renda. Esses 2 pontos sempre foram desejados. Por que estão reclamando? A resposta só pode ser essa: não é o nível de educação que está aumentando. Pelos relatos da imprensa, a educação anda muito mal das pernas. E o bolsa família, juntamente com outros programas sociais, provavelmente está afastando os trabalhadores do trabalho pesado. Então não há nada para reclamar, pois não queríamos que o salário subisse? Está na hora da construção civil passar os ganhos de produtividade para os trabalhadores. Não tem outra justificativa para os preços dos imóveis subirem tanto.

  2. Itamar disse:

    O problema não é a mão de obra e sim os baixos salários.
    Acho que começaram a ver o próprio valor como na Europa e EUA.
    Todos nós sabemos que justiça social começa por ai. Parabéns trabalhadores braçais pela iniciativa e diga: não a escravidão!

  3. Peter Pablo Delfim disse:

    Todo mundo sabe que o preço dos imóveis é uma vergonha. Mas entra governo, sai governo e a FGV continua sendo “páu pra toda obra”. Os reflexos da construção civil no comércio e industria é algo que merece considerações. O que nos leva a crer esse estudo da FGV é que não trabalha nesse país quem não quer. Temos pleno emprego. Portanto, bolsa família e outros afagos dispendiosos do governo aos miseráveis podem parar. “-Assim não dá!” diria FHC. Parece que temos é de arrumar o que fazer para o pessoal da FGV.

  4. Fabio C. Guimaraes disse:

    É só aumentar os salários que a luz acende de novo.

  5. João Cirino Gomes disse:

    Desculpa esfarrapada gente; estão é distorcendo a realidade, falta trabalho e salario digno! E continuam roubando o trabalhador da seguinte forma; usam seu FGTS para construir, mas ao invés de entregar o que pertence ao trabalhador a ele, entregam aos bancos e empreiteiras, ou aplicam este FGTS que é dinheiro do trabalhador até mesmo na copa!
    Quando o trabalhador vai financiar um imóvel, paga exorbitâncias, e na maioria das vezes não consegue pagar; perde o que pagou, e perde o imóvel, que acaba sendo refinanciado e entregue a outra vitima, deste sistema injusto e enganoso!

    Talvez achem que o cidadão deva construir imóveis de graça, para que eles tenham mais lucro!

  6. Rogerio Faria disse:

    Itamar, vc foi no ponto “G”.
    Trabalhei muitos anos na Construção Civil. Não tinha bebedouros, os banheiros eram uns chiqueiros, A maioria dos serventes “carimbava” o polegar na folha de pagamento etc.
    Agora pedreiro, armador, carpineiro tem que saber ler desenhos de projeto. Serventes tem que saber ler para interpretar os avisos de segurança. Tecnicos de Edificações tem que ser experts em CAD e em várias ferramentas de projeto.
    Porém as Empreiteiras continuam a querer pagar salários de fome. Ex. um Técnico de Edificações tem salário de R$ 800,00 mensais. O que existe é falta de vergonha na cara destes empresários.

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *