Início » Economia » China está ávida pelo mercado americano de veículos elétricos
carro elétrico

China está ávida pelo mercado americano de veículos elétricos

Apesar do setor ser famoso pelos fracassos, duas empresas chinesas anunciaram que devem começar a vender carros elétricos nos EUA no próximo ano

China está ávida pelo mercado americano de veículos elétricos
A montadora Fisker pode ser um fracasso, mas está sendo disputada (Reprodução/Internet)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

A Tesla, uma montadora de carros elétricos, é a queridinha dos investidores e o sucesso mais destacado em um setor que é mais famoso por seus fracassos. O entusiasmo que a empresa atraiu está encorajando empresas chinesas a tentarem entrar no mercado americano.

Uma empresa de Hong Kong e outra da China continental estão batalhando pelo controle da Fisker, uma montadora de carros elétrico híbridos fracassada sediada na Califórnia; uma audiência em um tribunal realizada em 10 de janeiro considerou os pedidos dos credores de realizar um leilão aberto. E a BYD, outra empresa da China continental, disse nessa semana que começaria a vender carros elétricos nos EUA no ano que vem.

Em 2009, quando o Departamento de Energia Americano (DOE, na sigla em inglês) concordou em dar à Fisker um grande empréstimo de “energia verde” para começar a produção de seus elegantes carros esportivos Karma, tudo indicava que ela se tornaria uma concorrente séria da Tesla.

Mas a Fisker foi derrotada por problemas de qualidade, má administração e dificuldades financeiras da A123, sua fornecedora de baterias. A produção do Karma foi interrompida ao fim de 2012 e, em novembro último, a Fisker entrou com um pedido de falência, assim como a A123 fizera pouco antes. A Hybrid Tech Holdings, controlada por Richard Li – filho de Li Ka-shing, o magnata mais rico de Hong Kong – comprou o empréstimo do DOE para a Fisker com um grande desconto e agora procura usar sua influência como credora para conseguir o controle da empresa falida.

 

Fontes:
The Economist-Charging into America

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *