Início » Economia » Cidadãos de Bangladesh ajudam refugiados rohingyas
LIÇÃO DE SOLIDARIEDADE

Cidadãos de Bangladesh ajudam refugiados rohingyas

Apesar de toda a dificuldade do país, os cidadãos de Bangladesh dão uma lição de solidariedade para o mundo

Cidadãos de Bangladesh ajudam refugiados rohingyas
Refugiados Rohingyas no campo Coxs Bazar, em Bangladesh (Foto: UNHCR/Saiful Huq Omi)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

Quantas pessoas seriam capazes de abrir mão de um sonho para ajudar pessoas desconhecidas? Provavelmente poucas, ainda mais quando este sonho envolve dinheiro. O empreendedor digital Mehedi Chowduty, de Bangladesh, é uma destas pessoas, e está dando uma lição de solidariedade. Ele, que sonhava e juntava dinheiro para comprar um modelo específico de carro, mudou de ideia quando viu a fuga em massa do rohingyas de Mianmar para Bangladesh.

“Eu tinha economizado dinheiro suficiente para comprar o carro quando vi aquelas imagens terríveis de pessoas cruzando a fronteira sem dinheiro, comida ou abrigo. Então, eu decidi dar todas as minhas economias para eles. Eu daria o dobro se pudesse”, disse Chowduty à Al Jazeera.

Nas últimas três semanas, aproximadamente 400 mil Rohingyas fugiram para Bangladesh. Eles fogem da perseguição e extrema violência sofrida em Mianmar, que as Nações Unidas vêm considerando como um episódio de “limpeza étnica”.

Bangladesh é um país pobre e superpopuloso. No total, há 162,75 milhões de pessoas no país. O grande problema é que há 1.251,8 pessoas para cada quilômetro quadrado, segundo dados de 2016. O PIB do país é de apenas US$ 221,4 milhões, ficando em 44° lugar no ranking entre 195 países. Para se ter uma ideia, no Brasil, há 207,65 milhões de pessoas, mas só há 24,8 pessoas por quilômetro quadrado. O PIB brasileiro é de US$ 1.796,19 bilhões, ficando em 9° lugar no ranking internacional.

Para piorar, Bangladesh sofre com as consequências das piores enchentes em um século. Cerca de 7,5 milhões de famílias foram afetadas. No entanto, os cidadãos de Bangladesh estão ajudando como podem os refugiados rohingyas, distribuindo mantimentos em caminhões.

Apesar das autoridades de ajuda humanitária estarem impressionadas com a generosidade do povo de Bangladesh, eles estão preocupados se aqueles que realmente estão em necessidade estão conseguindo receber ajuda. “A única forma de fazer isso é andar pelos campos, identificar aqueles que precisam, dar a eles uma ficha e convidá-los para um centro de distribuição ordenado”, diz Chris Lom, da Organização Internacional de Migração, em entrevista à Al Jazeera. “Se não fosse pelos cidadãos de Bangladesh, eu não sei como sobreviveríamos. Não há espaço nos campos, e nenhuma organização internacional está nos dando apoio”, diz Noor Mohammed, que se encontra em um campo para refugiados.

“Sim, nós todos poderíamos fazer melhor”, diz Jean-Jacques Simon da UNICEF. “Mas nós estamos enfrentando desafios enormes… O número de pessoas cruzando a fronteira é sem precedentes. Mas em alguns dias, vai aparecer o apoio”.

Enquanto isso, o fazendeiro Abu Hayed, do vilarejo Jammu Khali, abrigou oito famílias rohingyas em um galpão antigo de sua casa. Lá, os refugiados têm comida, água e espaço para as crianças brincarem. “Eu dei abrigo porque sou um ser humano. Está chovendo lá fora, eles não tem onde dormir, eles não têm nenhuma ajuda. Mas eu sou um fazendeiro pobre com uma família grande. Estou tentando transferi-los para um campo, mas não estou conseguindo apoio. Não podemos cuidar deles por muito mais tempo”, lamenta Hayed.

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

1 Opinião

  1. Abrão disse:

    Profundamente lamentável essa situação.
    Limpeza etnica é abominável !!!!!

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *