Início » Economia » Como o chavismo secou as torneiras em Caracas
VENEZUELA

Como o chavismo secou as torneiras em Caracas

Tanto Hugo Chávez quanto Nicolás Maduro falharam na política de abastecimento de água da cidade

Como o chavismo secou as torneiras em Caracas
Apesar dos reservatórios estarem cheios, a água corrente não chega à população (Foto: Pixabay)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

É temporada de chuva em Caracas e os reservatórios estão cheios. Mas a maioria das 5,3 milhões de pessoas que vivem na cidade ou perto dela não tem água corrente há pelo menos um mês. A Venezuela é um país rico em petróleo que não pode pagar por comida nem remédios. Agora, o regime autocrático de Nicolás Maduro está mostrando que pode ter falta de água mesmo se a natureza ajudar.

Fornecer água para Caracas não é fácil. A cidade está a mil metros acima do nível do mar. O rio mais próximo, o Tuy, passa do outro lado da montanha. Outros governos tiveram de lidar com esses problemas. Marcos Pérez Jiménez, ditador na década de 1950, supervisionou a construção de um sistema de bombeamento e reservatórios que acompanhou o rápido crescimento da cidade.

Hugo Chávez aprimorou o fornecimento de água em áreas pobres, mas não atualizou a infraestrutura. A partir de 2005, a falta de água já era um problema. Chávez, que morreu em 2013, respondeu com muito dinheiro, publicidade e pouca manutenção. Chávez e Maduro gastaram US$ 10 bilhões com pouco sucesso.

Agora, a cidade está recebendo menos água do que em 1999, diz José de Viana, ex-presidente da estatal Hidrocapital. A hiperinflação só piorou as coisas. O salário mínimo na Hidrocapital é de menos de US$ 3 por mês no câmbio atual. Apenas 20 das 400 equipes de manutenção estão funcionando. A água é muito barata, o que é parte do problema. Uma conta de mês de uma casa com três quartos é equivalente a 20 mil bolívares, menos do que US$ 0,03.

Nas partes mais secas da Venezuela, há falta de água e de luz. Maduro, que provavelmente vai ser reeleito em 20 de maio, pode estar ficando apreensivo. No mês passado, a população de Caracas, que vive perto do palácio presidencial e normalmente é leal ao regime, protestou contra a escassez de água. A população se acalmou após o governo enviar um caminhão-pipa.

Fontes:
The Economist-How chavismo makes the taps run dry in Venezuela

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

2 Opiniões

  1. Áureo Ramos de souza disse:

    Parece que a Venezuela é pior que o Brasil, mais é ao mesmo tempo igual na idiotice política de ladrões

  2. Assim Falou Golbery disse:

    O engraçado é que ao mesmo tempo que parece tão informado do que acontece na Venezuela, nunca soube que milhões por aqui, não tem apenas água tratada, como ainda sistema de esgoto sanitário , o que faz o sujeito literalmente viver acima da m… que c…. Além isso, se fosse ainda para criticar esquerdismo equivocado, seria um pouco cabível, mas visa apenas defender o capitalismo do tipo mais selvagem possível

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *