Início » Economia » Erradicar a pobreza extrema não é mais um plano lunático
Pobreza

Erradicar a pobreza extrema não é mais um plano lunático

Entre 1990 e 2010 a proporção da população que vivia com menos de US$ 1,25 por dia em países desenvolvidos caiu à metade

Erradicar a pobreza extrema não é mais um plano lunático
Entre 1990 e 2010 a proporção da população que vivia com menos de US$ 1,25 por dia em países desenvolvidos caiu à metade (Reprodução/Economist)

Em uma métrica chamada de MPI, sigla em inglês para índice de pobreza multidimensional, criado por Sabina Alkire da Iniciativa de Desenvolvimento Humano e Pobreza de Oxford, o Nepal teve, desde 2006, a maior redução da pobreza, definida de modo amplo, dentre os países que integram o índice. Esse caso representa um microcosmo das mudanças que agências de desenvolvimento pretendem ver no mundo todo.

Leia também> A liberdade erradicará a pobreza

Entre 1990 e 2010 a proporção da população que vivia com menos de US$ 1,25 por dia em países desenvolvidos caiu à metade, para 1,2 bilhão de pessoas. Isso permitiu que 189 governos que assinaram um compromisso de cortar pela metade a proporção de pobres entre 1990 e 2015 declarassem vitória antes do prazo final.

Não é claro quanto da queda da pobreza se deve ao compromisso em si – sem dúvida não muito, uma vez que a China, onde ocorreu a maior queda, se recusou a assinar o acordo. Ainda assim, a correlação tem sido forte o bastante a ponto de todo país querer um novo conjunto de metas de desenvolvimento global após a expiração do lote atual em 2015. Suas delegações estão reunidas na ONU em Nova York para refinar a lista proposta de “Metas de Desenvolvimento Sustentáveis”.

Barack Obama fez com que o setor público americano se comprometesse com a meta de erradicar a pobreza extrema até 2030, isto é, reduzir a porcentagem de pessoas no mundo que vivem com US$ 1,25 por dia ou menos para 3%. O primeiro-ministro da Grã-Bretanha, o Banco Mundial e uma série de organizações filantrópicas internacionais também se comprometeram com a meta.

Fontes:
The Economist - Poverty: Growth or safety net?

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

1 Opinião

  1. Gilson Correia disse:

    Teatro de elite! Engodar, essa é a palavra de ordem, retroalimentada a todo momento no topo de uma pirâmide maléfica.
    Muito se fala, número para todos os lados em vários idiomas, e pouco é feito.

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *