Início » Economia » Erradicar a pobreza extrema não é mais um plano lunático
Pobreza

Erradicar a pobreza extrema não é mais um plano lunático

Entre 1990 e 2010 a proporção da população que vivia com menos de US$ 1,25 por dia em países desenvolvidos caiu à metade

Erradicar a pobreza extrema não é mais um plano lunático
Entre 1990 e 2010 a proporção da população que vivia com menos de US$ 1,25 por dia em países desenvolvidos caiu à metade (Reprodução/Economist)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

Em uma métrica chamada de MPI, sigla em inglês para índice de pobreza multidimensional, criado por Sabina Alkire da Iniciativa de Desenvolvimento Humano e Pobreza de Oxford, o Nepal teve, desde 2006, a maior redução da pobreza, definida de modo amplo, dentre os países que integram o índice. Esse caso representa um microcosmo das mudanças que agências de desenvolvimento pretendem ver no mundo todo.

Leia também> A liberdade erradicará a pobreza

Entre 1990 e 2010 a proporção da população que vivia com menos de US$ 1,25 por dia em países desenvolvidos caiu à metade, para 1,2 bilhão de pessoas. Isso permitiu que 189 governos que assinaram um compromisso de cortar pela metade a proporção de pobres entre 1990 e 2015 declarassem vitória antes do prazo final.

Não é claro quanto da queda da pobreza se deve ao compromisso em si – sem dúvida não muito, uma vez que a China, onde ocorreu a maior queda, se recusou a assinar o acordo. Ainda assim, a correlação tem sido forte o bastante a ponto de todo país querer um novo conjunto de metas de desenvolvimento global após a expiração do lote atual em 2015. Suas delegações estão reunidas na ONU em Nova York para refinar a lista proposta de “Metas de Desenvolvimento Sustentáveis”.

Barack Obama fez com que o setor público americano se comprometesse com a meta de erradicar a pobreza extrema até 2030, isto é, reduzir a porcentagem de pessoas no mundo que vivem com US$ 1,25 por dia ou menos para 3%. O primeiro-ministro da Grã-Bretanha, o Banco Mundial e uma série de organizações filantrópicas internacionais também se comprometeram com a meta.

Fontes:
The Economist - Poverty: Growth or safety net?

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

1 Opinião

  1. Gilson Correia disse:

    Teatro de elite! Engodar, essa é a palavra de ordem, retroalimentada a todo momento no topo de uma pirâmide maléfica.
    Muito se fala, número para todos os lados em vários idiomas, e pouco é feito.

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *