Início » Economia » Crise de energia na Venezuela agrava situação econômica
CAOS NA VENEZUELA

Crise de energia na Venezuela agrava situação econômica

A crise de energia tem provocado cortes no fornecimento de eletricidade no país, que duram de quatro horas a dias em algumas áreas

Crise de energia na Venezuela agrava situação econômica
Se não chover, a Venezuela mergulhará na escuridão em questão de semanas (Foto: Pixabay)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

Às 19h30 as luzes estão apagadas no shopping center Orinokia em Puerto Ordaz, uma cidade na região leste da Venezuela. Em circunstâncias normais o shopping, um dos maiores centros comerciais da América Latina, ficava aberto e iluminado até às 21 horas. Mas em obediência a um novo decreto do governo da Venezuela, os shopping centers fecham às 19 horas. Essa é uma das inúmeras medidas que o regime populista do país adotou para enfrentar a escassez de energia elétrica. Essa crise de energia tem provocado cortes no fornecimento de eletricidade no país, que duram de quatro horas a dias em algumas áreas. Os funcionários públicos só trabalham dois dias por semana. Os relógios foram adiantados em meia hora, o que encerrou o período de fuso horário único na Venezuela instituído por Hugo Chávez, que presidiu o país de 1999 a 2013. A solução para a crise energética, segundo a imagem transmitida pelo governo aos seus cidadãos, é tomar o mínimo de providências possíveis.

Para os moradores de Puerto Ordaz, a quinta maior cidade da Venezuela e a única com planejamento urbano, a escassez de energia elétrica parece uma brincadeira de mau gosto. A cidade foi fundada na década de 1950 com a ideia que a energia barata gerada pela hidrelétrica local iria dinamizar as indústrias do país, tornando-o menos dependente das exportações de petróleo. A cidade localiza-se na confluência dos rios Orinoco e Caroni, próxima à usina hidrelétrica estatal de Guri, a quarta maior hidrelétrica do mundo, que fornece cerca de dois quintos da eletricidade da Venezuela. Porém o nível do reservatório de água é inferior a dois metros do ponto de “colapso”, no qual o gerador precisa ser desligado para não danificar as turbinas. Se não chover, a Venezuela mergulhará na escuridão em questão de semanas.

A causa imediata é a seca no país agravada pelo fenômeno climático El Niño. Mas a seca não é a única culpada. A atual crise de energia elétrica na Venezuela é a terceira desde 2010. O governo federal não aumentou a geração de energia de acordo com a demanda. Houve um investimento de bilhões de dólares em usinas termelétricas, porém o governo não as manteve como deveria e muitas estão funcionando bem abaixo de sua capacidade.

 

Fontes:
The Economist-The country is running out of power. The regime will find ways to hang on

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

1 Opinião

  1. Áureo Ramos de Souza disse:

    Que se lasque a Venezuela e Maduro caia de podre.

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *