Início » Economia » Internacional » O governo do Japão e o cigarro
SAÚDE

O governo do Japão e o cigarro

As medidas contra o fumo passivo no Japão, responsável por pelo menos 15 mil mortes por ano, causam uma profunda divisão no governo japonês

O governo do Japão e o cigarro
Os ativistas protestam há anos contra a ambivalência de um governo que, ao mesmo tempo, vende cigarros e desencoraja o tabagismo (Foto: Pixabay)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

O ministro da Economia do Japão, Taro Aso, é o campeão das gafes políticas. Certa vez, com uma lógica irrefutável disse que os custos com a saúde diminuiriam se as pessoas idosas morressem mais rápido. Mesmo assim, as dúvidas que expressou em relação ao vínculo entre cigarros e câncer de pulmão, causaram surpresa. O ceticismo do ministro Aso é uma forma de se iludir. Afinal, ele fuma desde jovem. Além disso, o Ministério da Economia arrecada mais de ¥ 2 trilhões (US$18 bilhões) por ano com a cobrança de impostos sobre cigarros e detém um terço da Japan Tobacco, a quarta maior fabricante de cigarros do mundo.

Os ativistas protestam há anos contra a ambivalência de um governo que, ao mesmo tempo, vende cigarros e desencoraja o tabagismo. Agora, se discute a proposta da proibição do fumo na maioria dos edifícios públicos para proteger as pessoas do tabagismo passivo. O Ministério da Saúde quer pôr essa proibição em vigor antes da chegada dos milhões de turistas a Tóquio para assistirem as Olimpíadas em 2020.

Quase 70% dos deputados do Partido Liberal Democrata (LDP), a que Aso pertence, se reuniram em um grupo que se opõe à proibição. Esses parlamentares contam com o apoio de um grupo pequeno, mas influente, de fazendeiros que cultivam tabaco, e dos proprietários dos milhares de bares, restaurantes e dos izakayas, os bares tradicionais japoneses que servem comida, que temem a perda dos clientes. Mas segundo o Ministério da Saúde, esses estabelecimentos são responsáveis por pelo menos 15 mil mortes por ano, em decorrência do fumo passivo.

Em meio às discussões acaloradas entre os membros do governo e lobistas, Mark Levin da Universidade do Havaí argumentou que os receios do lobby de bares e restaurantes são infundados. A proibição do fumo nesses lugares não prejudica os negócios e, na maioria das vezes, atrai uma clientela que gosta de ar puro, sem a poluição e o cheiro da fumaça do cigarro.

Fontes:
The Economist-Japan’s government is in two minds about smoking

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

1 Opinião

  1. Daniela Villa disse:

    O hábito de fumar (charuto, cachimbo e cigarros) é a maior contribuição dos indígenas da América para a humanidade.
    Politicamente incorreto?
    A verdade é politicamente incorreta.

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *