Início » Vida » Comportamento » Roupas ‘comportadas’ não previnem abusos sexuais
COMPORTAMENTO

Roupas ‘comportadas’ não previnem abusos sexuais

Estudos mostram que mulheres mais introvertidas, que tendem a cobrir mais o corpo, são as mais propensas a serem abusadas

Roupas ‘comportadas’ não previnem abusos sexuais
Se apenas 6% dos homens são estupradores, por que faz mais sentido cuidar do comportamento de toda a população feminina em vez de cuidar do do comportamento deles? (Foto: Pixabay)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

A ideia de que o que uma mulher veste pode ter relação com um possível abuso sexual é global e persistente. A polícia costuma questionar as vítimas de violência sexual sobre o que elas estavam vestindo, como se o comprimento de suas saias fosse uma indicação de consentimento.

Em 2005, a Anistia Internacional fez uma pesquisa com britânicos, que revelou que um terço dos participantes da pesquisa acredita que as mulheres são parcialmente responsáveis por serem violentadas por conta de sua roupa e de seu comportamento.

Um estudo sobre crimes de violência revelou que apenas 4,4% dos casos relatados de estupro envolvem “comportamento provocativo” por parte da vítima. Além disso, ele mostrou que a maioria dos estupradores condenados não se lembra da roupa que a vítima estava usando. Estudos também mostram que mulheres com personalidades mais introvertidas que tendem a cobrir mais o corpo são as mais propensas a serem abusadas. Em um estudo, um entre três universitários disse que forçaria alguém a uma relação sexual desde que não fosse punido, o que não tem nada a ver com a roupa da vítima.

Homens também são vítimas

Qualquer um pode ser vítima de abuso sexual, inclusive homens. Na verdade, pesquisas militares sobre abusos sexuais mostram que homens no ambiente militar têm um risco ligeiramente maior de serem abusados do que as mulheres. Aparentemente, os uniformes pesados e as botas de combate não parecem impedir isto. A realidade é que estupradores optam por fazer o que fazem. Além disso, estudos sugerem que eles costumam ser culpados por outros crimes violentos.

O pressuposto cultural de que o estupro é algo que pode ser evitado por determinado comportamento não costuma se referir às vítimas masculinas. Eles, no entanto, enfrentam outros pressupostos culturais perigosos que fazem com que eles reportem menos os abusos que sofreram, como a ideia de que homem não pode ser abusado ou de que homem gosta de atenção sexual de pessoas mais velhas.

Apesar do fato de 9% das vítimas de abuso sexual ser de homens jovens, a sociedade não insiste na ideia de que eles se vestem inapropriadamente. A sociedade não alerta os jovens meninos a não tentarem suas professoras por conta de seus músculos ou outras partes do corpo descobertas.

Então, qual o sentido de controlar o comprimento de uma saia ou de alertar as mulheres a não irem a certos lugares e proteger suas bebidas? Por que não direcionamos este esforço em dizer aos possíveis estupradores que eles simplesmente não podem e não devem fazer isto?

Se apenas 6% dos homens são estupradores, por que faz mais sentido cuidar do comportamento de toda a população feminina em vez de cuidar do comportamento deles?

Se um professor se sente tentado a um comportamento inapropriado por causa da pele acima do joelho de uma aluna, a culpa não é da pele à mostra, mas do professor. E se nossa cultura insiste em perpetuar a mentira de que certas roupas levam ao estupro, apesar de todas as evidências que provam o contrário, então o problema está na nossa própria cultura.

Fontes:
The Washington Post-Why dress codes can’t stop sexual assault

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

3 Opiniões

  1. Markut disse:

    Talvez falte enfatizar o lado natural da atração sexual, vinculado à preservação da espécie, praticamente em todo ser vivo.
    A mulher jovem da espécie humana,ao realçar os seus encantos, não faz senão atender a esse impulso instintivo.
    De fato, se algo como 6% dos homens são propensos ao estupro, é muito primário querer culpar apenas o lado provocativo da vítima, seja pelas roupas, seja pela postura, quanto mais se se constata que mesmo a jovem mais discreta também é vítima do abuso.
    Na raiz da questão,poder-se-ia pensar numa herança cultural machista , que só a educação pode inibir e neutralizar.

  2. Ludwig Von Drake disse:

    “Se apenas 6% dos homens são estupradores, por que faz mais sentido cuidar do comportamento de toda a população feminina em vez de cuidar do do comportamento deles?”

    Pela mesma razão que reforçam a segurança dos Bancos e nem todos os clientes são assaltantes.

  3. Roberto1776 disse:

    A pergunta, abaixo da foto e repetida no texto, é ingênua. A resposta é muito simples: temos que cuidar da parte mais fraca. CUIDAR DA PARTE MAIS FRACA. Será que é necessário desenhar?

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *