Início » Economia » Estado dos EUA quer que alimentos modificados sejam identificados no rótulo
geneticamente modificados

Estado dos EUA quer que alimentos modificados sejam identificados no rótulo

O pequeno estado de Vermont, nos EUA, conta com regras ambientais rigorosas e leva bastante a sério a produção de seus alimentos

Estado dos EUA quer que alimentos modificados sejam identificados no rótulo
Rótulos informando aos consumidores se o alimento foi modificado em laboratório serão obrigatórios em Vermont (Reprodução/DaveSimonds)

O Vermont proibiu a escravidão antes do resto dos EUA, em 1777, e ambientalistas locais falam como se houvesse acabado de realizar algo semelhante. “Chegamos primeiro mais uma vez”, comemora Will Allen, um agricultor orgânico maravilhado, já que o estado se preparar para exigir que os rótulos dos alimentos que contêm ingredientes geneticamente modificados (GM) exponham essa informação. Peter Shumlin, governador do Vermont deve sancionar uma lei que entrará em vigor em julho de 2016.

O Vermont é uma mistura estranha: o estado conta com regras ambientais rigorosas, leis de porte de arma liberais e o único senador comunista, segundo ele mesmo. Além de levar a sua própria comida bastante a sério, afirma Andrea Stander do Rural Vermont, um grupo que defende “um sistema de alimentação local que seja autossustentável e baseado em uma reverência à terra”. O Vermont tem mais fazendeiros orgânicos per capita que qualquer outro estado. Montpelier é a única capital que não conta com um McDonald’s.

Trata-se de um lugar adequado, portanto, para uma lei projetada para satisfazer os medos injustificados dos amantes da comida. Diversos estudos não verificaram ameaças à saúde humana causadas por ingredientes GM, os quais estão presentes em até 80% das comidas processadas disponíveis nos EUA; assim como também não foram constatados efeitos nocivos nos 20 anos nos quais os americanos vem comendo comidas desse tipo.

Com efeito, desde que o tomate feito a partir de engenharia genética chegou às prateleiras dos supermercados em 1994, os americanos estabeleceram uma relação mais relaxada com a tecnologia que boa parte do resto do mundo. Cerca de 26 países, incluindo os 28 da União Europeia, exigem que a presença de alimentos GM sejam expostos nos rótulos. Os EUA não o fazem, mas estão mudando.

Fontes:
The Economist-Vermont v science

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

1 Opinião

  1. Roberto1776 disse:

    Exceto pelo repúdio ao escravagismo, o belíssimo estado de Vermont parece assemelhar-se ao Rio Grande do Sul, com seu senador comunista e sua ojeriza aos OGM.
    Há muito tempo o Rio Grande do Sul é membro permanente da vanguarda do atraso, e é mais conhecido como Rio Grande do Não, pátria das putinhas aborteiras, abrigo de (ex) terroristas e terra de gente que dirige com os olhos fixados no espelho retrovisor.
    Agora, em 2014, nosso sábio governador petista está tentando compensar a maluquice de seu antecessor petista que mandou a Ford para a Bahia, no século passado.
    No supermercado que frequento, seguidamente encontro com um tal de diógenes, conhecido assassino dos tempos do regime militar.
    É bom saber que temos algo em comum com Vermont.

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *