Início » Economia » EUA e UE selam acordo e afastam tensão comercial
TRÉGUA COMERCIAL

EUA e UE selam acordo e afastam tensão comercial

Após encontro, presidente dos EUA, Donald Trump, e da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, se comprometem a melhorar as relações comerciais

EUA e UE selam acordo e afastam tensão comercial
Tensão comercial foi estabelecida desde o anúncio das sobretaxas do aço (Foto: Jean-Claude Juncker/Twitter)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

Os Estados Unidos e a União Europeia (UE) recuaram em seus posicionamentos e afastaram a possibilidade de uma guerra comercial. O anúncio foi feito na última quarta-feira, 25, em uma coletiva de imprensa do presidente americano Donald Trump e do presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker.

Na declaração conjunta, Trump e Juncker esclareceram que, tanto os Estados Unidos quanto a UE, vão começar a trabalhar para zerar as tarifas e reduzir outras barreiras comerciais. Ademais, a intenção é aumentar o comércio bilateral em serviços, produtos químicos, produtos farmacêuticos, produtos médicos e soja.

Juncker afirmou que o bloco europeu vai importar mais Gás Natural Liquefeito (GNL) para diversificar o fornecimento de energia. Além disso, o presidente da Comissão Europeia revelou que os EUA e as potências do bloco europeu vão trabalhar por uma reforma na Organização Mundial do Comércio (OMC), que já foi alvo de críticas de Trump.

“Enquanto estivermos negociando, a menos que uma das partes interrompa as negociações, adiamos tarifas adicionais e reavaliamos as tarifas existentes sobre aço e alumínio”, apontou Juncker, destacando que novas tarifas não serão aplicadas enquanto as negociações estiverem em andamento.

Segundo o comunicado da Comissão Europeia, os Estados Unidos e a UE têm uma relação bilateral que movimenta US$ 1 trilhão, a maior relação econômica do mundo. As potências dos EUA e do bloco, somadas, contam com mais de 830 milhões de pessoas e um volume superior a 50% do Produto Interno Bruto (PIB) global.

“Concordamos hoje em unir forças para proteger melhor as empresas americanas e europeias de práticas comerciais globais injustas. Por conseguinte, trabalharemos em estreita colaboração com parceiros com ideias afins para reformar a OMC e abordar práticas comerciais desleais, incluindo roubo de propriedade intelectual, transferência forçada de tecnologia, subsídios industriais, distorções criadas por empresas estatais e sobrecapacidade”, explica a declaração conjunta.

O presidente Donald Trump utilizou as redes sociais para celebrar o sucesso do encontro. Através do Twitter, o chefe de Estado americano afirmou que é “ótimo estar de volta aos trilhos com a União Europeia”, destacando que o encontro foi “um grande dia para o comércio livre e justo”.

Desde que as tarifas sobre as importações do aço e do alumínio foram anunciadas, as relações comerciais dos Estados Unidos com outros países e blocos econômicos, entre eles a União Europeia, ficaram abaladas. Em junho, as tarifas entraram em vigor. Menos de um mês depois, a União Europeia adotou medidas de retaliação, deixando a relação comercial ainda mais prejudicada.

No entanto, esse novo acordo entre EUA e UE parece dar um basta na tensão comercial –exceto se algum dos lados recuar em suas propostas. O detalhe é que essa nova negociação entre acontece menos de 10 dias depois que o Japão e a União Europeia assinaram um acordo comercial que impulsionava o livre-comércio. Na ocasião, o pacto foi encarado como uma espécie de “desafio” ao avanço protecionista dos Estados Unidos.

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *