Início » Economia » A Europa e o dilema da incorporação dos ciganos
MINORIA ÉTNICA

A Europa e o dilema da incorporação dos ciganos

A situação social e econômica dramática da comunidade cigana na Europa reflete a segregação das minorias étnicas no continente

A Europa e o dilema da incorporação dos ciganos
A segregação social e étnica exacerba a situação de pobreza da comunidade cigana (Foto: Wikimedia/Yann)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

O reassentamento é um dos problemas mais críticos causados pela entrada em massa de migrantes na Europa. Políticos e analistas discutem com frequência formas de integrá-los à sociedade e como enfrentarão essa integração. No caso da população cigana o processo migratório resulta em uma situação ainda mais dramática. Uma nova pesquisa da Agência dos Direitos Fundamentais da União Europeia (FRA) descreveu um cenário sombrio das condições de vida da maior minoria étnica do continente.

Em geral, 17% dos residentes dos países da União Europeia (UE) correm o risco de viverem em situações de extrema necessidade material. No entanto, segundo a FRA, entre os ciganos essa proporção é de 80%. Quase um terço mora em casas sem água corrente e cerca de metade não tem vasos sanitários, chuveiros e banheiros com o mínimo de conforto. Só 30% dos ciganos adultos conseguiram trabalho no último mês, menos da metade da proporção do resto do continente. Além disso, o nível de instrução dos ciganos é baixo. Na Grécia, onde a comunidade cigana vive em condições muito difíceis, 42% dos jovens de 16 a 24 anos não concluíram a educação formal.

A segregação social e étnica exacerba a situação de pobreza da comunidade cigana. Cerca de 60% dos ciganos na Europa vivem em guetos pobres. A segregação educacional é mais forte na Bulgária, onde 27% das crianças e jovens ciganos com 6 a 15 anos frequentam escolas em que todos os alunos são da mesma etnia. Mesmo em escolas com uma mistura de origens raciais, muitas crianças ciganas estudam em classes separadas.

A pesquisa da FRA mostrou que, às vezes, como resultado da discriminação racial, as crianças ciganas estudam em escolas especiais destinadas ao ensino de alunos com deficiência. Na Eslováquia, 18% das crianças ciganas frequentam essas instituições.

Essa segregação racial prejudica a multidão de refugiados que chega ao litoral da Europa em busca de uma vida melhor. Embora os ciganos sejam um grupo particularmente discriminado, o sentimento de rejeição revela a profundidade da divisão étnica e de seus efeitos negativos de longo prazo.

Fontes:
The Economist-Poverty among Europe’s Roma community

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *