Início » Economia » Explorando o lado nerd da mania do Lego
comportamento

Explorando o lado nerd da mania do Lego

Uma fabricante de brinquedos descobre um novo nicho de mercado ao vender produtos para as crianças e suas mães

Explorando o lado nerd da mania do Lego
Tan afirma que as crianças aprendem a ser criativas, resolver problemas e trabalhar em equipe brincando com Lego (Reprodução/Internet)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

Espremido entre cafés modernos e lojas de bolsas de grife em um shopping em Cingapura, Joey Tan oferece algo bastante diferente, até mesmo radical, para os consumidores da cidade-estado: brincadeira.

A sua loja, uma franquia da rede “bircks4kids”, está vendendo cursos para que as crianças aprendam a brincar com peças de Lego, e já está claro que a sua ideia está dando certo. A sua loja, a primeira no sudeste asiático para o franqueado americano, inaugurou em janeiro, mas o sucesso foi tão grande que Tan já abriu mais duas e outras estão prestes a ser inauguradas.

A empresária foi convidada a dar aulas de Lego em escolas, e vem preparando donos de franquias em potencial para outras áreas da região. Tan afirma que as crianças aprendem a ser criativas, resolver problemas e trabalhar em equipe brincando com Lego. A empresa dinamarquesa que fabrica as peças coloridas certamente concorda com ela.

A Lego tem tido um crescimento extraordinário na Ásia, muito mais do que no resto do mundo. Jorgen Vig Knudstorp, CEO da empresa, atribui o seu sucesso diretamente à fartamente documentada ascensão de uma classe média asiática (que pode comprar brinquedos relativamente caros) unido a uma nova disposição desses pais de permitirem que seus filhos aprendam brincando.

Após um 2012 robusto, as vendas da Lego para consumidores asiáticos subiram 35% até agora em 2013, desempenho cinco vezes melhor que o mercado de brinquedos asiático como um todo. As vendas aumentaram 70% na China, 35% na Coreia do Norte e 20% em Cingapura. A empresa começará a construir sua primeira fábrica na China no ano que vem.

Fontes:
The Economist-Thyme to touch

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *