Início » Economia » FMI disponibiliza US$ 18 bilhões para evitar falência da Ucrânia
resgate financeiro

FMI disponibiliza US$ 18 bilhões para evitar falência da Ucrânia

Fundo de assistência financeira vai fazer parte de um pacote mais amplo, lançado por outros governos e agências

FMI disponibiliza US$ 18 bilhões para evitar falência da Ucrânia
O FMI é a única instituição do mundo capaz de fornecer o empréstimo que a Ucrânia necessita (Reprodução/Atlanta Black Star)

O Fundo Monetário Internacional (FMI) anunciou nesta quinta-feira, 27, que disponibilizou um plano de resgate à Ucrânia de US$ 18 bilhões durante os próximos dois anos para impedir que a crise com a Rússia leve o país à falência.

O FMI é a única instituição do mundo capaz de fornecer o empréstimo que a Ucrânia necessita. Nos últimos 70 anos, o FMI tem sido o “bombeiro financeiro” do mundo, disponibilizando quantias que nenhum outro país é capaz de movimentar. Os Estados Unidos haviam oferecido uma ajuda financeira de US$ 1 bilhão, enquanto a União Europeia concedeu um empréstimo de US$ 2,2 bilhões. Porém, ambos os empréstimos não eram suficientes para evitar uma crise financeira na Ucrânia.

Leia também: Europa precisa se livrar do gás russo
Leia também: Rússia diz que migrar para gás americano é fantasia política da União Europeia

O acordo, anunciado pelo FMI em Kiev, capital da Ucrânia, exige que o governo ucraniano tome medidas para desvalorizar sua moeda, reduzir a corrupção e burocracia e, principalmente, cortar os enormes subsídios estatais de gás natural. Os subsídios por si só representam cerca de 8% do PIB da Ucrânia. Para complicar a situação, a Rússia anunciou que vai elevar o preço do gás natural para a Ucrânia a partir do dia 1º de abril. A Ucrânia depende do fornecimento russo e já acumula um dívida de mais de US$ 1 bilhão com a empresa de energia russa Gazprom.

Instabilidade política

A ex-premier Yulia Timoshenko se prepara para voltar ao cenário político (Reprodução/AFP)

A Ucrânia vive uma das maiores crises políticas e militares desde o fim da Guerra Fria, após um referendo feito na Península da Crimeia levar a Rússia a anexar o território.

Na última quarta-feira, 26, o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, garantiu que a comunidade internacional condena a violação da lei internacional por parte da Rússia, ao anexar a Crimeia. Ele alertou Moscou que se não diminuir o nível de tensão na área, o país terá que se enfrentar as consequências.

Nesta quinta-feira, 27, a ex-primeira-ministra e uma das personalidades da Revolução laranja Yulia Timoshenko anunciou que será candidata às eleições presidenciais no país no próximo dia 25 de maio.

Timoshenko passou mais de dois anos presa durante o governo de Viktor Yanukovitch. Ela se candidatou à presidência em 2010, mas perdeu por estreita margem para Yanukovitch. Um ano depois, ela foi condenada a sete anos de prisão por abuso de poder em contratos de gás fechados com a Rússia na época em que ocupava o cargo de premier. Timoshenko foi libertada após a deposição de Yanukovitch.

 

 

 

Fontes:
Agência Brasil-FMI disponibiliza até 13 bilhões de euros para evitar falência da Ucrânia
The Economist-Dereliction of duty
O Globo - Yulia Timoshenko anuncia candidatura à presidência da Ucrânia

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *