Início » Economia » Grandes cervejarias negociam para ganhar dinheiro
Negócios

Grandes cervejarias negociam para ganhar dinheiro

Venda os ativos e receba o bônus. Compre-os novamente e mantenha o bônus. Bem pensado

Grandes cervejarias negociam para ganhar dinheiro
Anheuser-Busch InBev (ABI), uma cervejaria gigante está negociando a compra da Oriental Brewery (Reprodução/Internet)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

Pagar US$ 4 bilhões por um negócio que você vendeu por US$ 1,8 bilhões cinco anos antes não é uma estratégia muito boa para ganhar dinheiro. Mas é possível que a Anheuser-Busch InBev (ABI), uma cervejeira gigante, esteja prestes a fazer isso. Foi noticiado que ela está negociando a compra da Oriental Brewery, da Coreia do Sul, com os seus proprietários do ramo de private equity, a KKR inclusive, à qual tinha vendido à empresa em 2009. A venda contribuiu para que a ABI atingisse metas financeiras e destravasse um bônus de US$ 2,5 bilhões para seus executivos, incluindo US$ 289 milhões para Carlos Brito, presidente da empresa. Embora a venda possa ser revertida, tudo indica que o mesmo não acontecerá aos bônus.

Os enormes pagamentos vieram na forma de um plano de opções de ações estruturado após a fusão da Anheuser-Busch (dona da Budweiser) e da InBev (dona da Stella Artois) em novembro de 2008. Com os acionistas assustados pela enorme carteira de dívidas da empresa, justamente no momento em que os mercados financeiros estavam convulsionando, o conselho de administração da ABI prometeu ações baratas para 40 executivos caso eles conseguissem reduzir a relação dívida por receita até certo nível. De modo que Brito se desfez de US$ 9,4 bilhões de ativos, que incluíam a Oriental Brewery e uma divisão da Europa central. Além de cortes de dividendos e custos e de uma emissão de ações, as vendas ajudaram a ABI a atingir sua meta de dívida para 2011, garantindo, portanto, a premiação de seus altos executivos.

Fontes:
The Economist-Here’s to payday

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *