Início » Economia » Japão, terra do talento desperdiçado
Economist

Japão, terra do talento desperdiçado

Firmas japonesas enfrentam uma catástrofe demográfica; a solução é tratar as mulheres melhor

Japão, terra do talento desperdiçado
Metade do talento no Japão é feminino e subempregado (Reprodução/BrettRyder)

Ao contrário de um terremoto, um desastre demográfico não acontece sem antes emitir alertas. A previsão é que a população japonesa, hoje em 127 milhões, cairá para 90 milhões até 2050. Em 1990, a população economicamente ativa  superava crianças e idosos à proporção de 7 por 3. Em 2050 essa proporção será de um pra um.

À medida que o Japão cresce velho e fraco, o que suas companhias farão para encontrar trabalhadores entusiasmados e dinâmicos? Para um presidente que busca uma solução enquanto degusta um café da manhã laboriosamente preparado com arroz no vapor, salmão grelhado, sopa de misoshiro e picles artisticamente apresentados, a resposta está literalmente encarando-o.

Metade do talento no Japão é feminino, mas fora da cozinha, este talento está lamentavelmente subempregado. Quase metade dos japoneses graduados em universidades é do sexo feminino, mas apenas 67% dessas mulheres têm trabalho, muitos dos quais são de meio turno e envolvem servir chá.

Mulheres japonesas com diploma são muito mais propensas a saírem de seus trabalhos voluntariamente do que as norte-americanas (74% a 31%). Enquanto a maioria das mulheres ocidentais que tiram um tempo do trabalho fazem isso para cuidar das crianças, mulheres japonesas desistem de seus empregos porque sentem que suas carreiras estão estagnadas.

É certo que  local de trabalho japonês não é tão sexista quanto costumava ser. Fotos de mulheres nuas, onipresentes em mesas de assalariados nos anos 90, foram removidas. A maioria das empresas hoje tem regras contra descriminação sexual, mas mulheres bem instruídas são frequentemente alocadas em empregos sem perspectivas. Chefes à moda antiga veem o papel de suas funcionários como embelezar o escritório e formar uma rede de noivas em potencial para seus mpregados homens. E um tradicional dia de trabalho executivo  faz com que seja difícil pegar as crianças na escola.

Fontes:
Economist - Land of the wasted talent

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *