Início » Economia » Moody’s rebaixa Portugal e crise se aprofunda
Rating

Moody’s rebaixa Portugal e crise se aprofunda

Agência de classificação de risco rebaixou em quatro degraus a nota do país

Moody’s rebaixa Portugal e crise se aprofunda
Economia de Portugal sofreu mais um duro golpe (Fonte: Reprodução/Getty Images)

Mesmo sob intervenção do FMI e do Banco Central Europeu, a economia de Portugal sofreu mais um duro golpe na noite desta terça-feira, 5. 

Leia também: Europa desgovernada
Leia também: Crise: as consequências humanas

A agência de classificação de risco Moody’s rebaixou em quatro degraus a nota do país, derrubando a bolsa de valores de Lisboa e fazendo os juros da dívida portuguesa dispararem mais uma vez.

‘Bônus lixo’

A nota da Moody’s para Portugal passou a ser Ba2, um nível de “bônus lixo”. A agência justificou sua decisão citando o “crescente risco” de que o país não cumpra sua meta de redução do déficit e tenha que pedir mais ajuda internacional.

Na manhã desta quarta-feira, 6, os juros dos bônus portugueses com prazos de vencimento de dois e dez anos passavam de 14,5% e 11,6%, respectivamente. A bolsa de Lisboa caía 2,7% meia hora depois da abertura do pregão e os títulos dos bancos de Portugal registravam perdas entre 5% e 6%, as piores cotações do ano.

Fontes:
Portal Exame - Rebaixamento na Moody's derruba bolsa e dispara juros de Portugal

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

9 Opiniões

  1. Carlos U. Pozzobon disse:

    Como Portugal não terá como sair ao mar para descobrir algum território onde possa pilhar para pagar suas dívidas, certamente terá que se reinventar. Certamente eles terão que exportar portugueses pelo mundo afora, uma vez que a redução do contingente de funcionários públicos inúteis não oferece outra alternativa. E o Brasil está na mira, pois por aqui os portugueses não terão que disputar o mercado de trabalho com os marroquinos, tunisianos e líbios que infestam a Europa.

  2. Rosimeire Martins disse:

    Esta inversão de papéis está sendo até um tanto engraçada,muitos querendo vir pra cá como imigrantes. Mas deverá ser visto com cautela pelo brasil,por ser o país da vez em crescimento e com facilidade para sua legalização a quem queira aportar por aqui.Agora com certeza acredito que o tratamento aqui em nosso país será muito diferente daqueles a que eles oferecem aos imigrantes de boa fé que por lá ainda estão a ganhar a vida honestamente.Não generalizando é claro, mas as histórias que ouço e por ter vivenciado situações me levam a tal opinião.Sejam bem vindos, aqui não exploramos estrangeiros só as nós mesmo os brasileiros, pois gringo aqui tem vez principalmente se tiver sotaque e uns euros no bolso a distribuir.Pobre gente inocente…

  3. Peter Pablo Delfim disse:

    Os portugueses ainda nos veem como ex colônia. E não é piada é serio. Em situação caótica politicamente, socialmente e economicamente pensam em reinventar a descoberta do Brasil. E pasmem; estão tendo exito. Não há um dia em que por aqui o sól se levante no horizonte em que não se veja, ouça ou leia em algum veículo da mídia algo sobre um grande feito português, seja nas artes, na culinária, na arquitetura, na linguagem, na cultura e outras coisas tão ao gosto dos deslumbrados. Até de valentia e heroismos se fala. Como também das vantagens de diversos tratados comerciais e culturais em curso. Fala-se até da Monarquia e das vantagens para o Brasil caso viesse a ser implantada aqui. Já vimos muito disso. Alguém está de brincadeira, enlouqueceu e quer atirar esse pais numa revolução. Que venham os portugueses então! Mas me comprem um bode antes e não me cobrem nada.

  4. Zé modesto disse:

    Tenham calma que a bolha especulativa vai estourar ai pelo Brasil…depois quero ver…só vejo carrinho zero e o povo na rua a comprar, mas isso está prestes a terminar..tenham calma. Agora quanto Portugal…não se preocupem a gente por aqui se arranja, ao menos podemos andar na rua descansados sem medo de bala perdida ou sequestro relampago…..não há dinheiro no mundo que page esta segurança.

  5. Flavio disse:

    Os portugueses serão os nossos mexicanos. Temos todo tipo de trabalho braçal que desejarem.

  6. Daniel disse:

    Quando será que os seres humanos perceberão que o planeta é um sistema fechado, seja para matéria ou finanças. Não deveriam existir nações, apenas o planeta como um todo, pois caso não tenham percebido, a história mostra o que muda-se tudo para que tudo permaneça como sempre esteve, uma gigantesca maioria precisa estar na miséria para poucos se manterem no poder.
    Deveriam acabar com as fronteira e todos agirem em prol uns dos outros.
    Parece fantasia, mas seria bom se fosse verdade.

  7. Pedro Tavares Nicodemos Filho disse:

    Não riam de Portugal que o nosso fim está próximo. Nossa dívida interna era de 2 trilhões e 313 bilhões de reais em 2010. Como iremos pagar isso? Simples: Vamos quebrar e não custa e claro, o povo vai pagar a conta, mais uma vez. Os governos do PT sustentaram nossa atual taxa de inflação com juros de 14% ao mês. São os juros mais altos do mundo.

    “Os dados a respeito do crescimento da dívida interna foram publicados pelo Secretário do Tesouro, Arno Hugo Augustin na edição extra do Diário Oficial de 28 de Janeiro, há poucos dias portanto, num quadro comparativo que começa na página 13. Os leitores, assim, estão com a máxima sinalização possível para conferir as afirmações. Fonte mais oficial e precisa do que esta não existe. Não se trata de interpretação e sim de certeza.”

    Fonte: http://www.tribunadaimprensa.com.br/?p=15505

  8. Peter Pablo Delfim disse:

    Divida interna nunca quebrou país algum no mundo ao longo da história. O que quebra é o roubo desmesurado. A partir daí, então, bem ao gosto dos intelectuais da econômia é que se quebra. Quando acontece já existe o esboço de uma solução. Aquilo que vemos todos os dias escancarado na mídia. E as máquinas de fabricar dinheiro não param de trabalhar em socorro das instituições financeiras falidas (isso não seria aumento da dívida interna?) que se reerguerão, certamente, com outra roupagem e novo nome. Não sou eu que estou dizendo é a história da economia mundial.

  9. João Bosco Maria Duarte disse:

    Não vejo outra saída para Portugal. Se não quiser permanecer como apenas um país periférico da Europa, daqui para frente vai ter que repensar o seu futuro, pois os dias de vacas gordas acabaram. Acostumados a viverem por muitos séculos numa economia bastante atrasada, os portugueses, sob o manto protetor do euro e com maciços investimentos de seus parceiros mais fortes da União Europeia, viram de repente, o seu país dar um salto para a modernidade. Agora, como “um soco no estômago”, na descrição de seu presidente, ao assistir com triteza o rebaixamento de Portugal pela Moody’s, a exemplo da Grécia, Portugal vai inaugurar um longo período de recessão econômica, um alto preço por não ter aproveido esta grande oportunidade e implementado um projeto consistente para o seu
    desenvolvimento.

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *