Início » Economia » Amazon inaugura sua primeira boutique chique
NEGÓCIOS

Amazon inaugura sua primeira boutique chique

Empresa aposta no setor de vestuário sofisticado e inaugura loja de roupas e acessórios em Londres

Amazon inaugura sua primeira boutique chique
A Amazon começou a vender roupas e acessórios no Reino Unido há apenas dez anos (Foto: Amazon)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

Vestidos vermelhos de renda, casacos confortáveis, mas com estilo, e jeans rasgados penduram-se nas araras de uma boutique chique em Londres, com um cartaz de neon e piso de tábua corrida. Os clientes admiram as roupas, embora não estejam em uma loja de um estilista, e sim na primeira loja de roupas e acessórios da Amazon na Europa.

Em outubro, na noite de inauguração da boutique em Baker Street, as modelos Lara Stone e Maddi Waterhouse, a atriz Gemma Chan e as socialites Pixie Geldof e Rafferty Law foram conferir a coleção que a varejista americana espera que seja um sucesso.

A Amazon começou a vender roupas e acessórios no Reino Unido há apenas dez anos, mas já está competindo com a maior rede de lojas de departamento britânica, a Marks & Spencer, com uma participação de 4,6% no mercado de vestuário online.

No ano passado, a Amazon lançou cinco marcas, entre elas Aurique, uma marca de roupas esportivas femininas lançada em setembro deste ano. As roupas foram exibidas em revistas sofisticadas de moda, como Vogue e Glamour. A Amazon também investiu na contratação de profissionais competentes do setor de moda, que adquiriram experiência em empresas importantes de vestuário e acessórios como Marks & Spencer, Primark e Nike.

Londres é o centro do seu império europeu da moda, com um enorme estúdio de fotografia em Shoreditch, onde uma equipe de estilistas e fotógrafos produz 500 mil fotos por ano para o site.

A Amazon quer dissociar sua imagem do comércio de roupas baratas para conquistar um mercado muito maior de vestidos de festa glamorosos e de roupas elegantes para o dia a dia no trabalho.

“A alimentação e o vestuário são duas áreas vitais para a expansão do comércio”, disse Susan Saideman, vice-presidente da divisão europeia da Amazon Fashion.

Em termos do mercado global, a Amazon detém só 1% de participação de mercado, de acordo com analistas do banco Société Générale, que apontam uma concentração de 80% das vendas em lojas físicas. Mas, na avaliação dos analistas, em 20 anos o comércio eletrônico deterá metade do volume de vendas do segmento de moda no mundo.

Anne Critchlow, analista do banco, afirmou: “Os varejistas online mais agressivos como Amazon, Zalando, Asos e a Instagram, a rede social de compartilhamento de fotos e vídeos, dominarão o mercado.”

A Amazon não divulga dados específicos referentes ao faturamento do setor de moda, mas acredita-se que as vendas de roupas e acessórios aumentaram mais de 7% no momento em que as concorrentes tradicionais estão fechando as lojas físicas.

Ainda assim, Sam Dover, analista sênior de moda da empresa de pesquisa de mercado Mintel, disse que o site “frio” da Amazon atrai mais os homens, que em geral são fiéis às marcas e estilos que conhecem e usam. Além disso, “as pessoas gostam de experimentar roupas, de ver a qualidade do tecido e da confecção. Enfim, nem sempre o visual é igual à foto do site”, observou Dover.

Mas a praticidade, a entrega rápida dos produtos comprados e os preços mais baixos atraem consumidores menos exigentes e, por isso, o comércio eletrônico de roupas e acessórios amplia cada vez mais seu mercado consumidor.

Segundo Saideman, a Amazon usará seus recursos tecnológicos para se adaptar aos diferentes mercados futuros, seja físico ou virtual. “O funcionamento da loja em Londres e a relação com os clientes têm sido uma experiência valiosa, assim como as vendas online que exigem criatividade e senso de oportunidade.”

“Há 22 anos, a Amazon era apenas uma referência em livraria online nos EUA. Hoje, é a maior empresa de comércio eletrônico do mundo, com a oferta dos mais diversos produtos no mercado global. Por que não faria sucesso no campo da moda? É apenas uma questão de tempo”, acrescentou Saideman.

Fontes:
The Guardian-From click to chic: Amazon trials real-world fashion boutique

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *