Início » Economia » Negócios » Espectro das dívidas ronda a Ford
Setor automobilístico

Espectro das dívidas ronda a Ford

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

Apesar de ter se reestruturado mais rápido do que a GM, estima-se que a Ford pagará de US$ 2 bilhões a US$ 3 bilhões em juros e amortizações.

A Ford surpreendeu Wall Street quando anunciou lucros líquidos de US$ 2,26 bilhões no segundo trimestre deste ano — número impressionante para os tempos que correm — com déficit operacional de US$ 638 milhões, menos da metade do que os analistas esperavam. A empresa também ganhou mercado nos EUA, mas as dívidas enevoam seu futuro.

Para garantir sua liquidez, a Ford está apostando na escalada dos preços das suas ações e na força da sua marca. No entanto, caso essas expectativas não se concretizem, em poucos anos a empresa pode dispor de menos capital do que suas rivais para investir em novos modelos e em marketing.

Fontes:
Business Week - The Debt Specter Haunting Ford

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

4 Opiniões

  1. Alfredo Sloane disse:

    A Ford está surpreendendo. O Bill Ford fez bem em ir buscar um CEO de fora, esse Alan Mulally é fera.

  2. Roseli Kleine disse:

    Bom eu não acredito que uma empresa como a Ford possa ficar por baixo. Eu agredito que eles darão um jeito de superar essa crise e voltar a ser a melhores, eles estão passando somente por uma prova mas vão sair dessa.

  3. reginaldo nunes disse:

    A saida pode ser a Fusão ,

    so que os possiveis parceiros europeus dificilmente tem afinidades comerciais para tal feito, não quero aqui dar uma de adivinho, mas o dinheiro agora é farto em paises do golfo, china,e coréia.Afinidades comerciais e escala de produção , nem é preciso dizer onde ela vai encontrar…
    CHINA é a solção e o começo para as dificuldades americanas.Ou acontece uma grande aproximação ainda maior do que a que existe ou as americanas definharão.O exemplo tupiniquim, nosso e tupiniquim não como depreciativo , mas como nacional, da Fusão perdigão e sadia, mostra que a saida esta na escala e com isso na briga pelos mercados emergentes e o maior é o da CHINA.Um dos maiores parceiros em ferro e aço do Brasil e EUA.Como no passado , o Sr. Toyota ensinou como exportar aço para os EUA, o transformando em carros e navios, o americano tem que estar lado a lado com os chineses.
    Lembrem-se o custo de um lançamento de um novo modelo para uma montadora é de 2 a 3 bilhões de dolares, ou seja , ela tendo um custo como esse deixa de ter uma linha nova por ano, caminho diminuir as opções e acertar na mosca em linhas que sejam sua única opção ou dar os anéis para não dar os dedos e ser ainda mais competitiva.
    Chy chen a todos
    Reginaldo Nunes

  4. Helio disse:

    @reginaldo nunes, Muito interessante as suas observações. Iomara que o Alan Mulally seja realmente uma fera e acerte na mosca.

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *