Início » Economia » Negócios » Fusão entre EADs e BAE System fracassa por oposição de governos europeus
Sem acordo

Fusão entre EADs e BAE System fracassa por oposição de governos europeus

Fusão foi frustrada por não haver consenso entre governos da França, Alemanha e Grã-Bretanha

Fusão entre EADs e BAE System fracassa por oposição de governos europeus
Empresas desistiram do negócio nesta quarta-feira, 10 (Reprodução/Internet)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

A EADs e a BAE System anunciaram nesta quarta-feira, 10, que os planos da sua fusão, que criaria um gigante do setor aeroespacial com valor de mercado combinado de cerca de US$ 50 bilhões, foram por água abaixo. As negociações fracassaram porque os governos da França, Alemanha e Grã-Bretanha não chegaram a um acordo sobre a criação do que seria o maior grupo aeroespacial do mundo.

Leia também: Como a Unilever, mas com aviões e mísseis

Em comunicado, as empresas afirmaram que haviam chegado a um acordo sobre as condições comerciais da fusão, mas não foram capazes de conciliar os interesses dos governos europeus: “A BAE Systems e a EADS decidiram então ser do melhor interesse das companhias e de seus acionistas encerrar as discussões e continuar a focar no desenvolvimento de suas respectivas estratégias”, diz trecho do texto.

Segundo fontes ligadas ao projeto, a chanceler alemã Ângela Merkel foi totalmente contrária à fusão do grupo de defesa britânico BAE e do fabricante de aviões Airbus. “O problema fundamental é que Merkel não se sente confortável com o negócio, ponto final”, disse uma fonte que não quis se identificar, apontando que a chanceler alemã foi o principal obstáculo para o sucesso da fusão.

No cenário atual, França, Alemanha e Espanha detêm consideráveis participações diretas e indiretas na EADS. O governo britânico também tem uma participação na BAE System, o que permitiria que os políticos britânicos vetassem qualquer acordo que considerassem desfavorável.

Ao longo de meses de negociações, os governos europeus simplesmente não chegaram a um consenso sobre os detalhes da fusão. Em particular, a Alemanha insistiu em obter garantias de emprego para funcionários alemães da EADS no país e que partes da sede da empresa permanecessem na Alemanha.

Fontes:
Estadão - Negociações para fusão entre EADS e BAE fracassam

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *