Início » Economia » Negócios » Hidrelétrica de Jirau é leiloada com deságio de 21,6%
Rio Madeira

Hidrelétrica de Jirau é leiloada com deságio de 21,6%

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

A multinacional franco-belga Suez, que comandava o consórcio Energia Sustentável do Brasil, venceu o leilão da usina hidrelétrica de Jirau, no Rio Madeira, nesta segunda-feira.

Além da empresa Suez, que detinha 50,1% do grupo, a Camargo Corrêa Investimentos em Infra-Estrutura (9,9%) e a Companhia Hidro Elétrica do São Francisco – Chesf (20%) compunham o consórcio vencedor.

Foi oferecido um lance de R$ 71,40 por Megawatt hora (MWh), um deságio de 21,6% em relação ao teto de R$ 91. O preço final para as distribuidoras de energia — para onde será destinada 70% da produção — ficou fixado em R$ 71,37.

O preço final foi mais baixo que o da usina hidrelétrica de Santo Antônio, também no Rio Madeira, que havia sido leiloada em dezembro de 2007.

Fontes:
G1/Globo.com - Com deságio de 21,6%, consórcio da Suez vence leilão de Jirau

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

3 Opiniões

  1. Arlon Borges disse:

    Essas usinas estão com cerca de dois anos de atraso graças à teimosia de ex-ministra Marina Silva. Se vier um racionamento, é culpa dela.

  2. Ademir disse:

    O atraso na construção de hidrelétricas na Amazônia é fomentado pelas ONG”s internacionais, financiadas por países ricos que não querem o desenvolvimento da região nem o aumento da sua densidade demográfica, visto que estão "de olho grande" na Amazônia brasileira (e os governos do País, estranha e totalmente lenientes na condução dos problemas amazônicos, nada fazem para desenvolver a área). Acho que "Jirau", se sair das intenções, vai sofrer atraso de mais 20 anos!

  3. ingrid disse:

    Olha ate acho que essa hidroeletrica vai prejudicar a natureza mais vai beneficiar o ser humano, porque sem energia não consiguimos viver…

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *