Início » Economia » Internacional » Jaguar espera reviravolta com novo sedã
Internacional

Jaguar espera reviravolta com novo sedã

Montadora de luxo anuncia modelo esportivo XE à venda a partir de 2015

Jaguar espera reviravolta com novo sedã
O novo modelo da Jaguar é um esportivo de luxo pequeno que tem pedigree, mas terá de superar alguns desafios (Reprodução/JaguarLandRover)

A Jaguar Land Rover (JLR) apresentou um novo “mini” Jaguar que chega ao mercado a partir do ano que vem. O sedã XE, como é chamado, é um esportivo de luxo pequeno que tem pedigree, mas terá de superar alguns desafios.

Em 2008, a Ford vendeu a Jaguar junto com a Land Rover para a indiana Tata Motors. Com mais dinheiro e liberdade criativa, a JLR tem prosperado desde que trocou de mãos. As duas montadoras que compõem a marca, no entanto, têm desempenhos bem diferentes. A Land Rover tem confortavelmente superado as vendas da Jaguar sob a direção da Tata. Em 2013, a JLR vendeu 425 mil carros em todo o mundo, apenas 77 mil dos quais eram Jaguars. 

O crescente gosto do mundo por carros grandes tem impulsionado as vendas de Range Rovers – um carro que chega a vender por mais de US$ 160 mil. O Evoque, um Range Rover mais barato introduzido em 2011, revelou-se também muito popular, sobretudo na China, onde a JLR vende um quarto dos seus carros e recentemente ultrapassou a Lexus como a quarta maior montadora de luxo, atrás apenas da BMW, Daimler e Audi. 

A Jaguar, entretanto, perde dinheiro. A empresa tem investido pesado em modelos esportivos como o XF e o XJ, mas seu volume de fabricação é  pequeno demais para cobrir seus custos fixos. A empresa também investiu pesado no F-Type, um esportivo de dois lugares aclamado pela imprensa por sua aparência e desempenho, mas desconfortável e sem muito espaço para bagagem. 

O XE é o maior investimento da marca até agora. A JLR gastou £ 2 bilhões no modelo, incluindo a construção de uma nova fábrica em Solihull. Embora tímida sobre metas de vendas, a empresa provavelmente espera vender 100 mil por ano e dobrar esse número em 2020. Não será uma tarefa fácil.

 

Fontes:
The Economist-Baby on board

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *