Início » Economia » Internacional » Justiça japonesa aprova pedido de fiança de Ghosn
TERCEIRO PEDIDO

Justiça japonesa aprova pedido de fiança de Ghosn

Ex-CEO da Nissan está preso desde novembro. O tribunal fixou a fiança em 1 bilhão de ienes, quase US$ 9 milhões

Justiça japonesa aprova pedido de fiança de Ghosn
Ghosn é acusado por irregularidades fiscais no Japão (Foto: Wikimedia)

Preso desde novembro, o ex-CEO da Nissan Carlos Ghosn teve o pedido de fiança aprovado por um tribunal de Tóquio, no Japão, nesta terça-feira, 5. O tribunal fixou a fiança em 1 bilhão de ienes, quase US$ 9 milhões.

Mesmo se houver o pagamento da fiança, Ghosn não será liberado no mesmo dia por causa de um recurso do Ministério Público. O franco-brasileiro enfrenta acusações por irregularidades fiscais no Japão. Esse foi o terceiro pedido de fiança de Ghosn. Os anteriores foram rejeitados, pois o tribunal entendeu que havia um risco de fuga e a possibilidade de adulteração de provas.

Carlos Ghosn foi acusado de ocultar parte do salário para burlar leis de instrumentos financeiros do país. A acusação aponta que o ex-presidente fraudou o pagamento de US$ 38 milhões até março de 2018. O empresário também é acusado de usar os ativos da empresa para cobrir gastos pessoais.

Os promotores já recorreram da decisão do tribunal japonês e uma nova decisão pode ser tomada na próxima quarta-feira, 6. Ghosn já está preso há 107 dias, com os promotores trabalhando para montar um caso sólido para levar aos tribunais.

O chefe da equipe de defesa de Ghosn, Junichiro Hironaka, revelou que uma das condições da fiança era que o executivo ficasse sob guarda, além de ter acesso limitado à informações sobre o caso. Os promotores não quiseram comentar a decisão do tribunal.

A aprovação do pedido de fiança é uma rara boa notícia para Ghosn, que já teria perdido muito peso na prisão, levantando, inclusive, preocupações sobre o tratamento do executivo. A família do franco-brasileiro revelou já ter apelado à Comissão de Direitos Humanos da Organização das Nações Unidas (ONU) por causa das condições da detenção.

Ghosn já foi dispensado do cargo de presidente da Nissan, além de ter sido demitido da Mitsubishi e ter solicitado a dispensa da Renault. No entanto, o executivo continua no conselho das três empresas.

 

Leia mais: Ghosn se diz inocente em primeiro depoimento
Leia mais: Japão volta a prorrogar prisão de Ghosn

 

Fontes:
The New York Times-Carlos Ghosn, Former Nissan Chairman, Is Granted Bail Request in Japan

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *