Início » Economia » Negócios » Lições da Copa para o mercado de ações
O futebol e a bolsa

Lições da Copa para o mercado de ações

O que os investidores podem aprender com o torneio que ora é o foco das atenções?

Lições da Copa para o mercado de ações
EUA é eliminado por Gana da disputa pelo troféu da Copa 2010 (fonte: GloboEsporte.com)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

O colunista do Wall Street Journal Brett Arends enumerou sete lições que a Copa do Mundo pode proporcionar a quem investe em ações.

1. Não se surpreenda com qualquer coisa. Ninguém imaginaria que França e Itália, finalistas da Copa de 2006, seriam eliminadas na primeira fase da Copa do Mundo da África do Sul. Da mesma forma, ninguém poderia imaginar que o Lehman Brothers quebraria ou que a General Motors quase iria à falência.

2. Jogue na defensiva. No futebol e na bolsa, basta um pequeno deslize para anular os ganhos anteriores.

3. Pense globalmente. Caso a seleção dos seus países sejam eliminadas, os torcedores fanáticos de todo o mundo escolhem uma outra “pátria” para torcer. A lição é que não adianta olhar apenas para as ações negociadas no mercado local. Pensar globalmente ajuda a diversificar os investimentos e a reduzir o risco da carteira.

4. Não deixe a esperança lhe cegar. É compreensível que um norte-coreano torça esperançoso para a Coreia do Norte ir bem na Copa; não é compreensível que alguém invista em um negócio ruim. Se o retorno não vem, não insista até o fim. Venda!

5. Seja paciente. Há seleções que jogam melhor no exterior do que em seu próprio país. Isso é fruto da impaciência da torcida nas arquibancadas. Warren Buffett disse certa vez que o mercado acionário é uma forma eficiente de transferir dinheiro do apressado para o paciente.

6. Tenha uma margem de segurança. Uma seleção só começa a ficar mais tranquila em um jogo que precisa ganhar quando tem dois gols ou mais de vantagem sobre o adversário. O investidor Bem Graham minimizou suas perdas na crise de 1929 porque só comprava ações que estivessem cotadas com um terço a menos do que seu valor real.

7. Não confie demais nos juízes. Os erros de arbitragem vêm sendo graves e recorrentes na Copa do Mundo da África do Sul. As instituições reguladoras do mercado financeiro também podem cometer falhas grosseiras. Os órgãos reguladores dos EUA, por exemplo, não perceberam a bolha imobiliária que deu origem à última crise econômica global. Não parta do princípio de que os reguladores sempre salvarão as bolsas.

Leia mais:

O campeão da Copa segundo a matemática

Fifa: bilionária entidade sem fins lucrativos

A corrida dos patrocinadores

Fontes:
Portal Exame - Sete lições da Copa do Mundo para quem investe em ações

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

1 Opinião

  1. Markut disse:

    Não nos iludamos.
    A espetacular comoção , de âmbito mundial, que uma Copa faculta, não pode escapar ao espírito aguçado e oportunista da Fifa, visando milionários negócios.
    Para 2014, proponho aproveitar esse clima para impor a necessária campanha nacional de escolaridade básica competente.
    EDUCAÇÃO em logotipos, EDUCAÇÃO nas mentes de todos nós, EDUCAÇÃO como um grito em uníssono do país inteiro.
    Em nome disso tudo, seria até aceitavel suportar o ruido infernal das zuzuvelas.

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *