Início » Economia » Negócios » Mercado automobilístico americano está em queda livre
Carros

Mercado automobilístico americano está em queda livre

Nesta segunda-feira a indústria automobilística começou a divulgar os números de vendas de 2008, mostrando forte queda.

A Ford divulgou decréscimo  de 32,4% em dezembro comparado ao mesmo período de dezembro de 2007. No acumulado do ano, a queda foi de 21%. Para a General Motors, os números foram, respectivamente, 31% e 23%, enquanto que a Toyota divulgou 37% e 16%. Já a alemã Volkswagen teve queda de 14,4% em dezembro e 3,2% no ano, indicando que o mercado americano sofreu diminuição muito mais acentuada do que o europeu.

No Brasil, a venda de carros registrou um crescimento de 10,1% em dezembro, o que interrompeu uma trajetória de queda no comércio de veículos novos. De acordo com o presidente da Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores
(Fenabrave), Sergio Reze, em entrevista à rádio CBN, o crescimento aconteceu devido à política de redução de juros para o setor automobilístico — adotada pelo governo federal como medida de combate à crise financeira.

Reze afirmou, nesta terça-feira, 6, que 2008 fechou com um crescimento maior que 14%, apesar de as expectativas da entidade terem sido de 19%. Para 2009, o dirigente prevê queda. Antes, era de aproximadamente 19%, mas Reze acredita em um equilíbrio ou um crescimento em relação ao ano passado.

Fontes:
Washington Post - Dec. Auto Sales: Ford Down 32 Pct., GM Down 31 Pct.
Estadão - Venda de carros interrompe trajetória de queda, diz Fenabrave

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

3 Opiniões

  1. Manfred Konrad Richter disse:

    Insisto… com a capacidade de produção deles, quantos carros achavam que caberiam no mundo?

    Produção eterna?

  2. Dorival Silva disse:

    Vão todos acabar quebrando, eles não sabem fazer as mudanças profundas que precisariam.

  3. luis carlos disse:

    Houve queda nas vendas em numeros diferentes e em países diferentes. No Brasil houve acréscimo nas vendas. Portanto todos não quebraram, além do mais os carros não duram a vida inteira. Creio na recuperação ddas Empresas.

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *