Início » Economia » NYT comenta a falta de mão-de-obra qualificada no Brasil
Crescimento ameaçado

NYT comenta a falta de mão-de-obra qualificada no Brasil

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

Nesta quarta-feira, o jornal americano The New York Times declarou que as metas de crescimento econômico do Brasil podem estar por um fio. A razão desta "ameaça" se deve ao empobrecimento de mão-de-obra qualificada. O jornal também acrescenta que isto poderia prejudicar "a ascensão política e econômica" do país no exterior.

Segundo o jornal, o governo do presidente Lula, após alguns anos em expansão e contração, está projetando um período de crescimento sustentado, com o PIB crescendo 5% ao ano até 2010, e cerca de 3% a 4% ao ano na próxima década.

Todavia, apesar das metas de seu governo, a falta de mão-de-obra se dissemina por vários setores da indústria. Há falta de engenheiros civis e de construção, o que ameaça os projetos de infra-estrutura — que necessitam de pessoas melhor qualificadas. Isto está empurrando as empresas a recorrerem à mão-de-obra estrangeira devido a falta de qualificação dos brasileiros para alguns postos de trabalho.

 

Fontes:
Folha Online - Falta de mão-de-obra ameaça crescimento do Brasil, diz "NYT"

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

1 Opinião

  1. Marcílio F. da Costa Pereira disse:

    É verdadeira a preocupação, exposta nesse artigo. Contudo, a exemplo de Santa Catarina, em que vemos vários profissionais qualificados de nações vizinhas. A prática catarinense, se não é ainda adotado no restante do Brasil, pela necessidade será. Demonstrando a que ponto nós poderemos chegar, até mesmo o governo estadual, tem programas para trazer para cá os aposentados alemães – que lá são impedidos de retornarem ao mercado de trabalho.
    Contudo, não devemos encontrar a solução definitiva, através de atrair os vizinhos e até mesmo os alemães, como faz SC. Nacionalmente, há necessidade de uma maior valorização aos estudos. Fato que até o momento não observamos. (Ainda há tempo para modificarmos)

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *