Artigo

O Brasil na crise econômica

fonte | A A A

Comentando as gigantescas perdas no mercado de câmbio sofridas pela Sadia (da família de seu ex-ministro Luiz Fernando Furlan) e Aracruz Celulose, grandes exportadoras, o presidente Lula se equivocou ao dizer que elas especularam contra o real. Na verdade, as duas empresas – e talvez outras mais – apostaram na queda do dólar, e não da moeda brasileira. Venderam dólar futuro acreditando na sua baixa, e se deram mal.

Lula tem alguma razão, porém, quando diz que as perdas devem ser creditadas à especulação, e não à crise financeira mundial. Houve imprudência na tentativa de ganhar algo a mais nas operações – normais – de “hedge”, ou proteção contra flutuações cambiais, embora tenha sido a crise, sim, o fator que fez a moeda americana valorizar-se.

A aventura finaceira da Sadia e da Aracruz, que lhes causou prejuízos de RS 760 milhões e R$ 1,95 bilhão, respectivamente, no entanto, diz respeito somente a seus acionistas.

Mais que imprecar contra aventureiros do mercado, que, aliás, entraram nesta fria porque acreditaram na força do real – e do País –, cabe ao governo manter a independência de fato do Banco Central e recomendar a seu ministro da Fazenda, Guido Mantega, uma proverbial frugalidade em declarações acerca da economia.

A crise será de longa duração e não foi causada exlusivamente por bancos de investimento americanos. Na Inglaterra e Espanha, por exemplo, o mercado imobiliário apresentava sinais de saturação há quase um ano. Jornais ingleses informaram que bancos recomendavam aos postulantes a linhas de crédito hipotecárias que informassem, nas propostas, renda maior do que realmente auferiam.

A União Européia estuda, com grandes divergências, a adoção de um pacote de 300 bilhões de euros para salvar instituições em dificuldades. Terá de jogar dinheiro no mercado em meio à inflação crescente. No Japão, a situação não é de causar inveja. O Estado da Califórnia, por conta da escassez de crédito na praça,  pediu ao Tesouro um aporte de US$ 7 bilhões, para o pagamento de despesas ordinárias. Por aí se vê o tamanho da encrenca.

O governo age corretamente ao prover linhas de crédito para empresas brasileiras, mas convém pensar na contenção de gastos públicos, mais difícil agora, com aumentos de salário escalonados para o funcionalismo público acima da inflação, que surpreenderam até membros do governo, os quais consideraram-nos exagerados. Afinal, o próprio Ministério do Planejamento  propusera uma lei, em 2007, para limitar o aumento dos gastos de pessoal a 1,5% ao ano acima da inflação.

A projeção de gastos com pessoal nos próximos três anos é de 23,1% acima da inflação estimada, embora o limite proposto fosse de 4,6%. O entanto, se a arrecadação de impostos parar de crescer ou cair, será difícil fazer face a estas despesas já contratadas sem sacrificar a prestação dos serviços públicos, o que equivaleria a transferir aos mais necessitados o ônus da crise mundial.

Vale lembrar que há sessenta anos o Brasil exportava 2% do total mundial; hoje, com todo o esforço feito até aqui, exporta pouco mais de 1,1%.

Se as exportações para os EUA, Europa e Japão caírem, o Brasil estará em situação menos confortável para enfrentar a crise.

Embora se possa afirmar que a situação do País situação por ora é tranqüila, o atual estado de serenidade seria muito mais duradouro se houvéssemos feito as reformas tributária e política. Algo que um governante com a estrondosa popularidade de Lula não poderia ter deixado escapar.

De volta ao topo comentários: (9)

Sua Opinião

Nome (obrigatório)

E-mail (obrigatório)

Estado

Cidade

  1. ana sara silva disse:

    a e muito bom por causa das economias financeras i que a brasil esta de mal a pior por esta razao a minha profesora esta mandando a gente fazer um trabalho justamente falando sobre as crisses e conomicas……….

  2. toinha pinheiro disse:

    e muito bom este tema por que o as crisses economicas esta de mal a pior ……….

  3. valéria nunes disse:

    vou fazer uma redação sobre esse assunto, e esse contexto esclareceu minhas dúvidas.

  4. SELMA disse:

    ESSA MATERIA FOI DE MUITA IMPORTANCIA PARA MIM,EU VOU FAZER UM TRABALHO DOMINGO AGORA E VAI ME AJUDAR BASTANTE.MUITO OBRIGADO VALEU MESMO

  5. Carlos disse:

    Minha opinião é q o Lula atrapalha todo o desenvolvimento do nosso Pais!

  6. nelzimar souza de lacerda disse:

    Valho-me desses esclarecimentos para ampliar ainda mais o que o povo deveria saber,uma vez que a crise financeira mundial exatamente o tempero da ganancia por parte desses mecanismos internacionais que nao tem nehum escrupulo. E para completar no Brasil, infelizmente,parece-me que ainda estamos no sec.XIX, onde essa Republica nao passa de um estado de jogo interesses de uma classe dominante cujos sao fisiologicos. Esta explicado porque nao se faz reforma politica e nem tributaria

  7. vera lucia disse:

    Parabéns pela clareza da explicação sobre essa crise financeira, agora estou começando a entendê-la. Nos (o povão)precisamos disso e não de notícias de BARBARIE, normalmente repetidas até a exaustão de nossos jornais e telejornais…

  8. greice disse:

    eu acho que o presidente Lula está agindo muito bem diante da crise que nosso país está passando!!!
    Vai Lá Lula

  9. laila disse:

    a crise economica deveria ser ao mais explicado..por que nos o povo que sai prejudicado..por pessoas que nao sabem trabalhar..nao sabem fazer sua parte..acho que os politicos tem que ter uma soluçao..claro que nao e facil sabemos..mais tem q uue ser feito