Início » Economia » O Brasil não está pronto para o carro elétrico
TENDÊNCIAS E DEBATES

O Brasil não está pronto para o carro elétrico

Graças à falta de incentivos públicos, comercialização em larga escala de carros elétricos no Brasil está longe de ser uma realidade

O Brasil não está pronto para o carro elétrico
Uma visão embaçada do fundador da Tesla Motors Elon Musk, visto através do para-brisa de um de seus modelos elétricos. Vendas no Brasil não devem acontecer tão cedo (Foto: Flickr)

No Dia da Mentira, uma novidade do setor automotivo repercutiu no Brasil: a montadora de carros elétricos Tesla Motors, do sul-africano Elon Musk, traria para o Brasil seu primeiro carro elétrico “popular”, o Model 3, apresentado na noite anterior como o primeiro carro verde acessível às massas e com previsão de entrega a partir de 2017.  Nos EUA ele custará cerca de US$ 35 mil, o que no Brasil equivale a salgados R$ 140 mil na cotação atual do dólar.

O Model 3 da Tesla, apresentado no último dia 31 (Foto: Divulgação)

O Model 3 da Tesla, apresentado no último dia 31 (Foto: Divulgação)

Musk deu início à pré-venda do modelo no site da montadora e em apenas uma semana recebeu mais de 325 mil reservas, sendo que 115 mil delas foram feitas apenas na primeira hora – o que torna o Model 3, em números absolutos, um dos maiores lançamentos da história. Procurada pelo Opinião e Notícia, no entanto, a Tesla preferiu não dizer quantas destas reservas são de brasileiros. Talvez porque Musk deve poder contá-las nos dedos de uma mão, se é que houve interessados em terras tupiniquins.

Apesar de chegar a ser o 4º maior mercado mundial para a venda de carros (em 2014, portanto antes da crise), o Brasil ainda engatinha no segmento verde. Segundo uma pesquisa da Associação Brasileira de Veículo Elétrico (ABVE) feita em setembro do ano passado, circulam no país apenas cerca de 3 mil carros elétricos, e isso inclui os híbridos. O número representa 0,003% da frota total de 89,7 milhões de carros do país.

Só há um modelo 100% elétrico comercializado hoje no Brasil, o BMWi3, com preço a partir de R$170 mil. Outros, como o Nissan Leaf, o elétrico mais vendido no mundo, estão sendo apresentados aos poucos aos brasileiros por meio de projetos-piloto no Rio e em São Paulo. Segundo a montadora, 25 Leafs circulam em comodato no Brasil, dos quais 15 estão no Rio na frota de táxis municipais, e outros 10 estão em São Paulo, também com taxistas.

A Nissan chegou a fechar um acordo com o governo estadual do Rio para produzir o Leaf na fábrica da montadora em Resende a partir de 2017, mas a empresa contou ao O&N que a meta não será cumprida, a menos que o mercado interno comece a absorver cerca de 50 mil unidades por ano, número que está longe de ser alcançado.

O BMWi3, primeiro e único carro 100% elétrico comercializado no Brasil à população em geral (Foto: Wikipédia)

O BMWi3, primeiro e único carro 100% elétrico comercializado no Brasil (Foto: Wikipédia)

“O Brasil não é propício para o desenvolvimento desse mercado. Sendo assim, ainda não há planos de venda para o Leaf a curto ou médio prazo no mercado brasileiro. Temos o produto pronto para isso, mas, com a carga tributária atual, esse modelo custaria mais de R$ 200 mil, o que é inviável para o consumidor final”, diz a Nissan.

Sem incentivos públicos

A pesada carga tributária ainda é o maior impedimento à inserção dos carros movidos a bateria no mercado brasileiro. “É necessário torná-lo mais acessível para os consumidores, com medidas governamentais que reduzam, por exemplo, a carga tributária atual”, explicou um representante da Nissan. Nos mercados nos quais a montadora já comercializa veículos elétricos, foi adotado um modelo de parceria com governos para massificar esse tipo de automóvel. Nos Estados Unidos, por exemplo, o Nissan LEAF custa US$ 29 mil, podendo chegar a US$ 19 mil, dependendo de incentivos locais e estaduais onde é vendido.

No fim do ano passado, o governo brasileiro fez um primeiro movimento no sentido de incentivar a comercialização dos carros verdes, zerando o imposto de importação para esses modelos. Graças à medida, o preço do BMWi3 baixou de R$220 mil para R$170 mil. Ainda assim, segundo as montadoras, para levar a tecnologia a deslanchar no país, é preciso aliviar ainda mais a carga tributária, oferecer bônus para a compra, ajuda de custo na instalação de recarregadores domésticos e principalmente desenvolver uma rede ampla de recarregadores.

Carro elétrico feito em casa 

O engenheiro Elifas Gurgel e seu VW Gol elétrico (Foto: François Calil)

O engenheiro Elifas Gurgel e seu VW Gol elétrico (Foto: François Calil)

Enquanto isso não acontece, alguns poucos entusiastas da tecnologia estão transformando, por conta própria, carros comuns, a combustão, em modelos totalmente elétricos. É o caso do engenheiro brasiliense Elifas Gurgel, que fez a conversão de um VW Gol. “Já economizei 23 mil”, diz.

O engenheiro mantém um site onde atualiza as ações que desenvolve no carro e responde a dúvidas sobre o projeto. Ele também criou uma empresa homologada pelo Denatran para fazer as conversões.

Para a população em geral, no entanto, a compra de um carro elétrico ainda é um distante sonho de consumo. Se a Tesla fez, de fato, a pré-reserva de algum brasileiro idealista que pagou US$ 1.000 para entrar na fila do Tesla Model 3, o consolo é que Elon Musk já garantiu: poderá estornar a cobrança no cartão de crédito.

 

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

5 Opiniões

  1. Sandro disse:

    Acho que eles deveriam pensar em usar geradores nas rodas, e um sistema de acumuladores para armazenar a energia elétrica gerada quando o carro estiver em movimento.com isso aumentaria muito a autonomia do carro…

  2. Fernando Castro Alves disse:

    O Engeheiro de Computação Elifas Gurgel é cearense e reside em Brasília, é fundador de uma startup, a 4GVE Industria de veículos Eletricos Ltda, que encontra-se incubada na Universidade de Fortaleza-UNIFOR desde 2012, é a primeira e unica empresa nacional a conseguir a homologação do INMETRO e DENATRAN para licenciar nacionalmente um veículo transformado de motor a combustão para 100% elétrico.
    A 4GVE atualmente oferece ao mercado a transformação de veículos urbanos de transporte coletivo e de carga, alternativa que se viabiliza com retorno a médio prazo nestes segmentos.

  3. Ludwig Von Drake disse:

    Que carro elétrico que nada, segundo o governo o nosso futuro está no pré-sal.

  4. . disse:

    NESTE PAÍS INFELIZMENTE, NADA DÁ CERTO, A NÃO SER PARA OS POLÍTICOS CORRUPTOS, DESISTAM MINHA GENTE, TEREMOS QUE MUDAR A CULTURA DE NOSSA GENTE. IMPOSTOS MAIS CAROS DO MUNDO, SAÚDE 0, AS NOSSAS CARROÇAS AS MAIS CARAS DO MUNDO, IMPOSTO DO DETRAN, DENATRAN E UM MONTE DE TRAM, OS MAIS CAROS QUE EXISTEM, E EXISTE SÓ NO BRASIL. TUDO AQUI SE MOVE NA BASE DA ESPERTEZA, TODO MUNDO QUERENDO PASSAR TODO MUNDO PARA TRÁS, BANDIDOS FAZEM O QUE QUEREM, ESTE FAMIGERADO DIREITO HUMANO, SÓ PARA BANDIDOS. ACABOU GENTE, O BRASIL JÁ ERA. A PRESIDENTE NEGOCIANDO CARGO, DINHEIRO, NA BARBA DO STF, NA BARBA DE TODO MUNDO E NINGUÉM FAZ NADA, O CHEFÃO DO MST, DA CUT, FALANDO DESCARADAMENTE EM PEGAR EM ARMAS E NADA ACONTECE. SE EU SAIR NA RUA COM UMA ESPINGARDA DE CHUMBINHO, A POLÍCIA VAI ME PRENDER, O JUIZ ME DARÁ UNS ANINHOS DE PRISÃO. MAS O MST ESTÁ COM FUZIL NA MÃO E ESTE PESSOAL NÃO FAZEM ABSOLUTAMENTE NADA. MORRE UMA PORÇÃO DE POLICIAIS, NEM NA MÍDIA SAI, MORRE UM BANDIDO É UM DEUS NUS ACUDA, A MÍDIA CAI DE PAU. O QUE PODEMOS ESPERAR DE UMA MÍDIA CORRUPTA, DEPENDENDO DESTE GOVERNO CORRUPTO, LOTADO DE COMUNISTAS. NÓS ESTAMOS NO MAIS NOJENTO CAOS.

  5. Fabricio Mendes disse:

    Os chineses já estão produzindo drones de transportes de passageiros, movidos a energia elétrica, como o Ehang 184 AAV. O carro elétrico já chega atrasado, e nós no Brasil usando estas carroças caras produzidas pela indústria nacional.

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *