Início » Economia » O complicado sistema cambial da Venezuela
Dólar x bolívar

O complicado sistema cambial da Venezuela

Governo Venezuelano implantou o Sicad II, outro complicado sistema cambial que está longe de salvar a economia do país

O complicado sistema cambial da Venezuela
O Sicad II não é compatível com a política de preços e lucros do setor privado (Reprodução/AFP)

Quantos bolívares são necessários para comprar um dólar americano na Venezuela? A reposta não é tão simples como seria em outros países.

Antes um dólar americano custava dólar 6,3 bolívares para membros do governo ou aqueles que conseguiam provar que pretendiam importar bens vitais, como alimentos e medicamentos. Depois, o governo implantou o Sistema Cambiário Alternativo de Divisas (Sicad I), que fixou o preço do dólar em 11 bolívares, mas dependia de um sistema semanal de leilões.

Na semana passada, o governo do presidente Nicolás Maduro implantou Sicad II, sistema de câmbio flutuante que permite a compra e venda de dólares entre pessoas físicas e jurídicas, observando a demanda do mercado. O novo plano fixou a moeda americana em 50 bolívares. O valor é alto, mas ainda é pequeno se comparado ao praticado no mercado ilegal, onde um dólar pode custar até 63 bolívares.

Com o câmbio flutuante, o governo pretende frear a especulação do dólar e diminuir a escassez da moeda americana no país.

Em uma economia que exporta basicamente petróleo e produtos refinados e importa quase tudo, incluindo alimentos, a taxa de câmbio tem um papel crucial no mercado interno. O preço de vários produtos é controlado pelo governo, num esforço inútil para conter a escassez de produtos básicos e a inflação, que ano passado chegou aos 56%.

Mas esse controle rígido gerou ainda mais inflação e fez o índice de escassez chegar aos 28% no ano passado. Depois disso, o governo parou de registrar o índice, acusando a oposição de usá-lo para fins políticos.

A solução dos problemas venezuelanos depende, em parte, do quão livre será a flutuação cambial. Mas o setor privado do país já sabe que o Sicad II não é compatível com sua política de preços e lucros.

Fontes:
The Economist-A fistful of dollars, or perhaps not

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *