Início » Economia » O estratégico tour de Xi Jinping pela África
ESTREITANDO LAÇOS

O estratégico tour de Xi Jinping pela África

Presidente chinês visita parceiros no continente para estreitar laços políticos e econômicos num momento que os EUA dão as costas para a região

O estratégico tour de Xi Jinping pela África
Xi Jinping busca acordos bilaterais no 2º continente mais populoso do mundo (Foto: Xinhua)

O presidente chinês Xi Jinping está em meio a um tour pela África que tem como objetivo estreitar relações diplomáticas, militares e econômicas com parceiros da região.

A viagem de Xi em busca de acordos bilaterais no segundo continente mais populoso do mundo – atrás apenas da Ásia – ocorre em pleno momento que o maior rival econômico da China, os Estados Unidos, se engajam numa amarga guerra comercial e demonstram pouco interesse na região.

A China é a maior parceira comercial do continente africano e nos últimos anos vêm incentivando o livre-comércio na região. Exemplo disso é a Zona Internacional de Livre-Comércio de Djibouti (DIFTZ), inaugurada no dia 5 deste mês. Abrangendo 4,8 mil hectares, a zona é parte da iniciativa chinesa “Um cinturão, uma rota”, o projeto chinês de investimento em infraestrutura, como ferrovias, portos e redes de energia elétrica na Ásia, África e Europa.

A China também suplantou os EUA na venda de armamentos para a região e, recentemente, o país recebeu 50 representantes do setor de Defesa provenientes de países africanos para o primeiro Fórum de Defesa e segurança China – África, realizado em Pequim, entre os dias 26 de junho e 10 de julho.

Xi Jinping e o presidente senegalês Macky Sall (Foto: Xinhua)

Xi Jinping e o presidente senegalês Macky Sall (Foto: Xinhua)

A primeira parada de Xi Jinping foi Senegal, onde no último sábado, 21, foi recebido pelo presidente Macky Sall. Ambos os líderes destacaram os laços entre os dois países e o avanço na cooperação observado nos últimos anos.

Jinping agradeceu a Sall pela calorosa recepção e lembrou a decisão tomada por China e Senegal em 2016 de construir uma parceria estratégica de cooperação que permitiu a ambos os países consolidar a confiança mútua e avançar na cooperação econômica, comercial e política. O presidente chinês também celebrou o fato de o Senegal ser o primeiro país da África Ocidental a assinar com a China o acordo referente à iniciativa “Um cinturão, uma rota”.

Sall, por sua vez, agradeceu a visita de Xi Jinping, a primeira de um líder chinês ao país. Ele disse que a China foi responsável por grandes contribuições à humanidade ao longo da história e tem hoje um papel ainda mais importante nas questões internacionais.

O presidente senegalês afirmou que seu país admira as conquistas de Pequim em relação ao desenvolvimento e reconhece o que chamou de “precioso apoio” da China para o desenvolvimento econômico e social do Senegal, bem como os planos de revitalização do país.

Sall também reafirmou o compromisso do Senegal em permanecer fiel à chamada “Política de Uma China”, que reconhece apenas a República Popular da China como a verdadeira China, em detrimento de Taiwan, vista por Pequim como um território de seu país que precisa ser reintegrado.

“O Senegal adere firmemente à Política de Uma só China, está empenhado em aprofundar a parceria cooperativa estratégica global com a China, está pronto para reforçar a cooperação em áreas como construção de infraestrutura, conservação da água, industrialização, processamento de produtos agrícolas, turismo, cultura e esportes”, disse Sall.

Xi e o presidente ruandês Paul Kagame (Foto: Xinhua)

Xi e o presidente ruandês Paul Kagame (Foto: Xinhua)

Do Senegal, Xi Jinping partiu para Ruanda, onde se reuniu com o presidente ruandês Paul Kagame na última segunda-feira, 23. Ambos os líderes lembraram as boas relações bilaterais que seus respectivos países mantêm há 47 anos.

Jinping relembrou a viagem de Kagame a Pequim em 2017 e afirmou que Pequim está disposta a trabalhar com o governo de Kigali “para transformar a amizade tradicional bilateral em benefícios concretos para os dois países e os dois povos, e transformar um novo capítulo em suas relações cooperativas amistosas”.

Paul Kagame exaltou a importância dada por Pequim à África, afirmando que Xi Jinping “trata como iguais” os parceiros do continente e que esta “é uma postura revolucionária nas questões globais mais importante que dinheiro”.

O presidente chinês também recebeu do ministro de Estado dos Negócios Estrangeiros ruandês, Olivier Nduhungirehe, o compromisso de aderir à iniciativa “Um cinturão, uma rota”.

“Assinaremos cerca de 15 Memorandos de Entendimentos Bilaterais e acordos, incluindo aqueles relacionados à isenção de visto para portadores de passaportes diplomáticos e de serviço, cultura e operação científica, e cooperação com a Rota da Seda Econômica [que faz parte da iniciativa “um cinturão, uma rota”]”, disse o ministro.

Nesta terça-feira, 24, Xi Jinping chegou à África do Sul, onde participará da 10ª Cúpula dos Brics, que também reunirá líderes do Brasil, Rússia e Índia. Ele foi recebido pela ministra das Relações Internacionais Lindiwe Sisulu, na capital Executiva Pretória (a África do Sul tem três capitais, sendo as outras duas Bloemfontein, a capital Judiciária, e Cidade do Cabo, a capital legislativa).

Ao chegar, Xi Jinping destacou as conquistas obtidas pelos dois países em seus 20 anos de cooperação estratégica e afirmou que, durante a visita, “espera trocar pontos de vista com o presidente Cyril Ramaphosa sobre as relações bilaterais, bem como questões internacionais e regionais que dizem respeito a ambos os países”. Após participar da Cúpula dos Brics, Xi Jinping encerra sua viagem à África com uma visita às ilhas Maurício.

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

2 Opiniões

  1. Marcello Kutner disse:

    A China está aproveitando o vácuo que o Trump está deixando na África. Mais um capítulo que se insere na eterna luta da “Ascensão e queda das grandes potências”, abordado pelo excelente livro de Paul Kennedy .

  2. André Vinícius Vieites disse:

    PORÉM, TEM SEMPRE A ÁFRICA E A CHINA – Mas em 2011, o Reino Unido, e o mundo, era um lugar diferente. Ninguém falava de fato sobre a União Europeia, a não ser os chatos do Ukip (Partido da Independência do Reino Unido). Nosso primeiro-ministro era David Cameron, O QUE REALMENTE ENVIA OLHOS PARA SABEDORIA AFRICANA E CHINESA, O CAMERON TEM FAMA DE RACIONALIZAR AS QUESTÕES INDIVIDUAIS, MAIS FORMAS INCLUSIVAS E BAIRRISTAS DELE, TIPO O VAGABUNDO DO SARTORI NO RIO GRANDE DO SUL, QUASE GÊMEOS NO BAIRRISMO E EGOÍSMO.

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *