Início » Economia » Pianos chineses baratos dominam o mercado
Fabricantes de pianos

Pianos chineses baratos dominam o mercado

Fabricante dos pianos de Chopin desiste, mas outros continuam a competir contra concorrentes chineses

Pianos chineses baratos dominam o mercado
A maior parte dos pianos asiáticos são modelos mais baratos (Fonte: Reprodução/Eyevine)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

A Pleyel, com mais de dois séculos de atividades, era a favorita de Chopin e tinha entre seus clientes Stravinsky, Liszt e Debussy. Mas a fabricante de pianos francesa recentemente afirmou que o seu último ateliê fechará neste mês. O endosso de musicistas lendários não a salvou após décadas se esforçando para competir contra os pianos mais baratos do Oriente.

Pianos chineses baratos dominam o mercado. Dentre os 493 mil pianos fabricados no mundo todo em 2012, quase 80% foram feitos lá. Mais de 100 mil foram fabricados pela Pearl River, a maior fabricante de pianos do mundo. A empresa exporta para 100 países, Alemanha inclusive, onde é vendido com o nome Ritmuller, marca prestigiosa adquirida em 1999.

A maior parte dos pianos asiáticos são modelos mais baratos, mas alguns fabricantes passaram a atender um mercado mais lucrativo ao atrair artesãos experientes de ateliês europeus decadentes, e ao fazer parcerias com marcas conhecidas. A Pearl River produz hoje em dia modelos mais baratos com a Steinway & Sons, uma marca benquista em salas de concerto. No ano passado a alemã Bechstein se associou à Hailun, sediada em Ningbo, para produzir na China uma linha de produtos mais acessíveis.

Após dominar o mercado de pianos baratos os chineses podem esperar ter o mesmo sucesso com pianistas de renome que seus concorrentes japoneses. A Yamaha comprou a marca de luxo austríaca Bösendorfer em 2007, mas manteve a produção na Europa e está cada vez mais presente em salas de concerto. A Kawai, também japonesa, caiu nas graças dos conservatórios após desenvolver uma tecnologia que faz com que os seus pianos tenham menos necessidade de afinação e se tornem mais duráveis.

Fontes:
The Economist - Piano-makers: Major challenges, minor successes

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

2 Opiniões

  1. Oswaldo Freire Sampaio Junior disse:

    Deus do Céu, isto é uma verdadeira catástrofe, estamos perdidos!

  2. Roberto Rangel disse:

    Os grandes pianista atuais são chineses que certamente estudaram em pianos chineses baratos.

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *