Início » Economia » Por que o Zimbábue baniu moedas estrangeiras?
ECONOMIA

Por que o Zimbábue baniu moedas estrangeiras?

Decisão do governo surpreendeu a maioria dos zimbabuanos, que associa a moeda local à escassez de alimentos e à hiperinflação

Por que o Zimbábue baniu moedas estrangeiras?
Presidente diz que a medida visa recuperar a economia do país (Foto: Eric Summers Jr./ U.S. Air Force)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

O governo do Zimbábue tomou a decisão controversa de proibir o uso de moedas estrangeiras no país e reintroduziu o dólar zimbabuano, que foi retirado de circulação em 2009, durante o período de hiperinflação, quando o país adotou o dólar americano e o rand sul-africano como moedas correntes em transações financeiras.

A situação econômica do Zimbábue é péssima. O país importa quase todos os bens que consome e há uma escassez de dinheiro físico. O custo de vida é caríssimo e o desemprego atinge quase toda a população independentemente da faixa etária e da formação profissional.

O governo adotou várias medidas para solucionar a crise econômica, como a criação, em 2016, de notas de títulos, uma moeda oficialmente atrelada ao dólar americano, mas com um valor bem inferior. Em consequência, o mercado ilegal domina uma economia na qual as transações financeiras são feitas por meio de cartões de crédito ou de outros meios eletrônicos.

Em 21 de fevereiro, as notas de títulos foram substituídas pelo dólar de Liquidação Bruta em Tempo Real (LBTR) em mais uma tentativa de solucionar a grave crise econômica.

Em pronunciamento oficial, o presidente Emmerson Mnangagwa justificou a introdução do dólar LBTR como um “passo importante para recuperar a economia do país”.

A proibição do uso do dólar americano também se justifica, segundo alguns membros do governo, por ser uma moeda forte que aumenta o custo da produção de bens no país, com o consequente aumento da importação de produtos.

A decisão do governo surpreendeu a maioria dos zimbabuanos que associa a moeda local à escassez de alimentos e à hiperinflação. Um dia depois da proibição do uso de moedas estrangeiras em transações financeiras, supermercados, empresas e profissionais liberais reajustaram seus preços de acordo com a cotação do dólar LBTR, um valor muito acima do poder aquisitivo de muitos zimbabuanos.

David Coltart, membro do principal partido de oposição, o Movimento para a Mudança Democrática (MDC), classificou a decisão do governo de “total loucura”, alegando que o Zimbábue adotara o dólar americano há dez anos justamente por falta de confiança na moeda local.

Os sindicatos ameaçaram fazer protestos em todo o país se o governo não revogar a medida. A Confederação de Sindicatos de Zimbábue (ZCTU) quer que os trabalhadores recebam em dólares americanos para que seus salários não sejam corroídos pela inflação.

Nas ruas da capital, os comerciantes do mercado ilegal ainda aceitam dólares americanos e o valor da moeda mantém-se estável com o equivalente a 11 dólares zimbabuanos por US$ 1, um valor bem mais alto que a taxa oficial.

A inflação anual atingiu 231.000.000% em julho de 2008. Os preços dos bens de consumo aumentaram várias vezes durante o dia. Embora fosse ilegal, muitas pessoas compraram dólares americanos no mercado ilegal, como uma forma de se protegerem da inflação.

Por fim, o governo foi obrigado a tirar de circulação o dólar zimbabuano e substituí-lo por diversas moedas estrangeiras como o dólar americano, o yuan chinês, o rand sul-africano e a rupia indiana.

Mas com uma confiança abalada por anos de intervenções monetárias com motivações políticas, os zimbabuanos evitam ter reservas em moedas locais. Assim, mais uma vez essa tentativa de recuperação financeira resultará no agravamento da crise política, econômica e humanitária do país.

Fontes:
BBC-Why Zimbabwe has banned foreign currencies

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

1 Opinião

  1. Roberto Henry Ebelt disse:

    E isso aí, fruto do socialismo de araque de uma ditadura de mais de 30 anos conduzida por Roberto Mugabe, que a esquerda brasileira e o resto do mundo, especialmente Alemanha e França, querem para o Brasil. Como Emmerson Mnangagwa foi vice de Mugabe durante 3 anos, quem sabe o se passa na cabeça dele?

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *